Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

terça-feira, 7 de agosto de 2007

Ama a vida!...

ELA!!!... A vida...
É mais bela que o alvorecer da manhã,
a melodia dos pássaros,
o canto da chuva,
a verdura dos prados
e o colorido perfume dos jardins,
a alvura da neve,
a candura da Lua,
o cintilar das estrelas,
o brilho do Sol,
as cores do arco-íris,
o azul do céu, o silêncio da floresta...
o marulhar das ondas sob o Sol
desmaiado da penumbra da tarde
que ilumina os beijos doces das gaivotas na praia...
Ama!... Sorri!... Canta!... Grita de alegria!...
Diz a toda a gente o quanto é delicioso
dançar na valsa do tempo
a ternura do amor!...
Hermínia Nadais

1 comentário:

Janice Adja disse...

Tbm acho que viver é uma valsa.
Belo poema.