Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

quarta-feira, 8 de agosto de 2007

Saudades


Tenho saudades do Sol
Do vento, das borboletas,
Do murmúrio das águas
Do silêncio e solidão
Que deixa o corpo sozinho
Mas preenche o coração.

Tenho saudades da vida
Do correr, do saltitar,
De fazer o que é preciso
Sem nada desamparar
De dizer que sou feliz
Com tudo o que acontecer
Porque não consigo mesmo
Descobrir ser nesta lida
Algo que possa ser útil
No desenrolar da vida.

Tenho saudades de tudo
Que me fazia crescer,
Pois p’ra crescer nesta hora
Terei de ser, sem demora,
Algo que vive a morrer.

Hermínia Nadais

1 comentário:

Janice Adja disse...

Gosto de ficar sozinha com meus pensamentos, gosto de viver intensamente cada momento que a vida me oferece.Mesmo sabendo que vai fazer mal. Consequência sempre é o natural de cada ação. Só consegui ter saudades dos filhos quando criança. A vida muda muito as pessoas.
Beijos!