Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

FELIZ 2009


A vida não é feita de caminhos planos nem de linhas rectas, razão porque ninguém poderá prever com exactidão qualquer acontecimento futuro, por muito que se esforce por o conseguir.
Para todos os meus amigos e amigas, Feliz 2009, com um grande beijo da Hermínia

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

DIFERENÇAS


Lembrar o mal é fortalecê-lo;
repetir o mal
que nós ou os outros fazemos
não ajuda em nada
nem a nós nem a eles..

Então,
Se pudermos dizer bem de alguém
Falemos...
E se não pudermos dizer bem
Calemos!

Aceitar o outro como ele é
é amar o outro – é altruísmo;
querer que o outro seja
como nós entendemos que ele deve ser
é amar a nós mesmos – é egoísmo!

Dar conselhos é pura perca de tempo,
é dizer ao outro
que ele não tem capacidade
para discernir o melhor,
é levar o outro a não nos aceitar
e a revoltar-se connosco.

Assim sendo,
carinhosa, firme e
meigamente,
falemos com a vida
respeitando-nos a nós mesmos
no respeito pela diferença
entre nós e o outro...
e o outro...
brandamente,
descobrirá as melhores formas
de crescer na diferença
e pela diferença...
não há pessoas iguais!...

Feliz Natal!

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

VIVER



Não sei o que é viver
apenas sei
que vivo
a cantar ou a sofrer.
Sei que é melhor sonhar
e tapar
o rosto com vendas cor-de-rosa
ou azuis
roxas ou lilases…
daquelas que nos apresentam
todos os sonhos
possíveis
e capazes.
Mas… cheguei à conclusão
Que não é assim
que encontro a solução.

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

VAIVÉM

A vida é um vaivém constante
e eu amo a vida
nesse constante vaivém
só ou acompanhada
com espaço ou amalgamada
com passos distorcidos
e momentos entorpecidos
por entre alegrias e consolações
minutos de prazer e horas de confusões.

Mas tenho de convir
sem dúvida que me pareça
que o “estar só e acompanhada”
como estou
sem nada de mal que me aconteça
me sossega o coração dentro da alma
pois me transmite harmonia paz e calma.

Hermínia Nadais

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

NA PAZ DA TARDE...

Uma “folha colorida”
e marejada de tempo
vagueava pelo espaço
cantando lindas histórias de encantar!
Tão belas
que entretinham os sorrisos das estrelas
e adoçavam o coração do Sol
os lábios da Lua
a meiguice das flores
e os segredos do vento!

Em suaves melodias...
a “folha colorida”
cantava a ternura suave e doce
dos bebés acolhidos
sob a frondosa copa da árvore
onde vivera,
a paixão dos que sob ela vira enamorar-se
e ainda as carícias dos que
aproveitavam
a serena quietude dos bancos do jardim
para desfiar memórias!...

Quadro (in)vulgar
e uma delícia para a vista
de quem tem olhos para ver
e de consolo para o coração
de quem é capaz de amar!...

Por esse mundo perdidas,
quantas exposições assim,
deslumbrantes
e plenas de detalhes outonais
do tempo e da vida!...

E com quanta felicidade e alegria
nos podemos extasiar
sorvendo a beleza incomparável
e inconfundível
dos odores outonais do tempo
e sentindo na alma
a chegada lenta e calma
das características outonais da vida,
na melodiosa paz da tarde!...

sábado, 15 de novembro de 2008

ENTREGA

Sonhei fazer nesta vida
Tudo quanto tu quisesses
Acabei quase perdida
Nas duras teias que teces.

Uma teias eu entendo
Mas outras eu não sei ver
Vou desbravando o caminho
Até algo acontecer.

Vejo escuro em pleno dia
Pois não consigo enxergar
Nas estradas tortas da vida
O caminho a palmilhar.

É tamanha a confusão
Que sinto em minha cabeça
Que nem parar eu consigo
Para conversar comigo
Antes que um mal me aconteça.

Fechou-se o túnel à volta
Sem dar espaço onde entre luz
Levanto as mãos para o ar
Para tentar encontrar
O que ainda me seduz.

Amor! Não escondas de mim
Tuas carícias e mimos
Vivo atulhada em pavor
Para encontrar amor
A melodia dos teus hinos.

domingo, 9 de novembro de 2008

TEMPESTADES

Nas “tempestades”...
quase sem pensar
fico
parada no tempo
e sujeita a marés
como as águas cintilantes
da ria!...

Então
vou planando no espaço
a voo rasante
como as gaivotas
e como os pescadores
vou pensando
qual a melhor hora
de deitar o ‘meu barco’
à água...

Entretanto
espero que os raios
ensolarados
atravessando
a escuridão das nuvens
venham acariciar-me o rosto
e ensinar-me aos passos
os caminhos da luz.

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

A CULTURA DO AMOR

Amar
não é gostar de alguém
é algo mais
onde há comportamentos tais
que grande parte das pessoas
não os têm.

Amar
é procurar
que o outro cresça,
seja feliz
e se sinta realizado,
é esquecer-se de si
e pensar no “ser amado”,
é compreender,
perdoar,
pedir perdão,
aceitar o defeito do irmão,
e tentar viver, assim,
na paz do coração.

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

ELOGIOS... OU SILÊNCIOS

Quando não encontrares forma de poder elogiar uma pessoa, evita falar nela, pois ninguém tem o direito de denegrir a imagem de quem quer que seja.

terça-feira, 21 de outubro de 2008

VENDAVAL

Não chove, não faz frio nem cai neve, as nuvens não fogem desesperadas nem o vento sopra como louco. Não são estes factores do tempo que fazem as mãos trémulas e as pernas enfraquecidas, os corpos inseguros e os corações deambulantes, as frases entrecortadas por suspiros escondidos nas asas egoístas das ignominiosas torturas que acompanham tantas vidas sombrias disfarçadas pelas mais sorridentes gargalhadas e boas disposições... que agodizam ainda mais fortemente os sofrimentos atrozes e esmagadores perdidos na calada da noite.
Realmente, não é preciso que haja mau tempo para que se viva no mais tremendo, estúpido e enormíssimo vendaval.

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

MARINHEIRO PERDIDO

Sem Estrela do Norte
Num barco sem leme
Nem que seja forte
Marinheiro treme.

O farol, na praia,
Quase não dá luz,
O homem aflito
Chama por Jesus.

Mas “Ele”, escondidinho,
Finge não ouvir,
E o manso barquinho
Vai a submergir.

E o marinheiro,
Sem ter salvação,
Atira-se à água
Em grande aflição.

Flutua nas águas
Quando sente alguém,
Uma tabuinha
Flutua também.

E o marinheiro,
Sem Estrela do Norte,
Nessa tabuinha
Se salva da morte.

sábado, 11 de outubro de 2008

CENTRO CIRÚRGICO DE COIMBRA

É uma casa amarela... na berma da estrada e no centro de um relvado com canteiros floridos, rodeada por uma faixa preta onde o vaivém de alguns veículos anunciam a movimentação de pessoas para intervenções cirúrgicas.
Casa bonita e requintada... mas onde o tempo não passa, a alegria se esvai e o ruído dos mais de cem veículos por minuto rodando apressados na via ensurdece...
Nada satisfaz a lentidão do tempo na cura do sofrimento humano... e a beleza esfuma-se por entre o desconforto do amargo sossego da espera.
Não! Trabalhar não é difícil! Difícil é estar parada... terrivelmente parada e sem nada que possa ajudar a mover a inércia do tempo.

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

CANTO!

Canto o meu canto
ao dia que amanhece
à manhã que se levanta
com todo o seu esplendor
ao Sol que alumia
com toda a sua luz
e nos aquece
com todo o seu calor.

Canto a beleza
dos montes ou jardins
a delicadeza das águas das fontes
a grandeza das nuvens
que sulcam o ar
os pássaros que cantam
nos prados e montes
a humildade da relva
que tapeteia o espaço
e os longos caminhos
que cruzam o lidar
que nos dão prazer
ou enchem de cansaço.

Canto o coração ardente
e a alma que rejubila
a cada amanhecer
canto a vida
que brota em cada ser
a renovar-se
tão sabiamente.

Canto... e não me canso de cantar
as maravilhas que a vida me vai dando
canto a manhã a noite
a madrugada
canto por tudo por pouco
e até por nada
canto a plenos pulmões
ou sem dizer palavra.

Canto com lágrimas nos olhos
ou sorrisos no olhar
com o coração a cantar ou a sofrer
com o sangue a escorrer por ele
jorrando...
Canto sem parar ou esmorecer
porque assim é melhor para crescer
na vida que a correr se vai passando!...

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

CRITICAR... não!...

Ninguém deverá ter nunca a ousadia de criticar as fraquezas e imperfeições de outrem...pois a fragilidade humana dificilmente suporta fortalezas!...

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

PARA TI!...

Não tenho medo de te perder
receio que te percas!...

Não sinto a falta da tua presença
necessito estar presente!...

Não me provoca solidão a casa vazia
temo o vazio da tua vida cheia!...

Sei que nunca partirá a corrente que nos une
mas a fragilidade dos nossos elos de segurança
podem desligar-nos dessa corrente!...

Assim...
na minha felicidade
desejo que estejas muito feliz!

Hermínia Nadais

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

LOUCO AMOR

De casa a abarrotar
com gente por todo o lado
de mesa enorme e aumentada
cheia e amalgamada
tachos panelas pratos e talheres
máquinas de louça atulhadas
com peças e mais peças a serem arrumadas
para meter na lavadora
ou para à mão serem lavadas
estou sozinha neste casarão
com tamanho sem fim
onde um espaço bem pequenininho
era mais que óptimo para mim.

Calma e brandamente
vou dando um jeitinho ao jardim
ou descendo as escadas
inclinadas
ao encontro de alguns dos meus pombinhos
que ficaram a arrulhar perto de mim
e de quando em vez
vêm aconchegar-se no meu pombal
onde carinhosamente
ainda me é dado
poder-lhes ajeitar umas bicadas.

E quando a saudade
me dilacera por demais o coração
sopro brandamente
o meu canto de ternura
abafado na melodia voadora das palavras ou letras
aos outros pombinhos que a vida distanciou
e agora como estes cá não estão
para virem encher seus meigos bicos
e logo fugir alegremente
ante os meus olhares regalados de contente
de os ver partir
apressados a sorrir
como aves sonhadoras
à procura de novos espaços bem traquinos
onde possam entoar toda a doçura
dos seus singelos e melodiosos trinos.

E enquanto o meu par desbrava mundos
e espero com carinho
o ver de novo cheio este meu ninho
verdadeiramente estou só...

Só... mas muito bem acompanhada
sem sentir momento algum de solidões
pois o amor de todos estes corações
preenche o ar que respiro nesta casa
onde um doido e “LOUCO AMOR”
muito maior
me enche de mimos e mantém aconchegada
me preenche de todo o coração
me aconchega mais a eles e mais nos une
e me faz pensar
que o estar perto ou longe é indiferente
para quem AMA e é AMADO... assim... tão loucamente!

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

CAMINHANTE

Caminhante, estou contigo...
anda de braço comigo
que a distância não afasta,
vivemos a mesma lida
vagueando pela vida
pouco do mundo nos basta!

Ir de encontro à humanidade
é nossa realidade
que a “gente” não compreende,
com tudo o que construímos
altos e baixos sentimos
já nada nos surpreende!

Ó meu irmão Caminhante
tens coração confiante
tua força arrasta montanhas,
destruído por ralés
mostras agora o que és
no mais fundo das entranhas!

Subi contigo ao “Tibete”!
Parti as minhas amarras!

Busco-me a toda a hora
sonhando ir por aí fora
numa aventura constante,
com verdade podes crer
com tudo o que acontecer
como tu sou caminhante!
Hermínia Nadais

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

DESENCANTO!

Acampei calmamente com malas e bagagens
no pleno encanto da vida desencantada!

Cantei, chorei, sorri, olhei claramente as saídas mais diversas
daquela estupenda e gigantesca encruzilhada!
Então parei, meditei e concluí por fim
que todas aquelas estradas
descontínuas diferentes emaranhadas maltratadas
de mim saíam e se dirigiam todas para mim.

Na ânsia desmedida de encontrar-me
segura do caminho a seguir
a partir de tantas desilusões
questionei-me no silêncio mais ruidoso atroz e arrasador
sobre o porquê de todas aquelas tremendas confusões.

Não há sombra de dúvida - rematei!
“A minha humanidade é só fraqueza
e é a partir dela que tenho que seguir
no meio de todas as controvérsias e aflições”

E apressei-me a tentar descortinar
a melhor senda por onde caminhar...

Mas... que o desencanto quebra amarras e arranja soluções
foi a única conclusão a que pude chegar!...

Então, com muita garra abracei o desencanto
e atirando por terra as ilusões
decidi não mais deixar de o abraçar
e com ele vencer as más ocasiões!
Hermínia Nadais

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

AMOR!


Se fomos criados para o Amor
e só no Amor repousaremos...
Vivamos em Amor!

Não num amor a nós mesmos
que nos fará exageradamente egoístas...
Mas, num Amor a tudo o quanto nos rodeia
principalmente a toda a humanidade
criada para viver em fraternidade
e esfacelada por numerosas divisões.

Não nos coloquemos acima dos demais
porque em nada somos superiores a eles...
E se as nossas qualidades ou modos de viver
em algo nos distinguem...
Devemos somente agradecer e louvar
o Senhor da Criação
que por bondade nos quis presentear?!...

E... o melhor a fazer
é olhar profundamente todas essas dádivas
com a maior dedicação e vontade firme de crescer
aperfeiçoá-las e colocá-las
ao serviço de Deus e dos irmãos
para que como nós também eles
se possam engrandecer
num melhor Amar e bem viver.

Amar somente a nós mesmos,
não... pois é desordem... confusão!
Levar-nos-á a uma luta acérrima
contra tudo e contra todos
no desejo de a todos ultrapassar
e cairemos no abismo mais profundo
porque em nós apenas o ódio poderá reinar.

Então, para crescer
não nos atropelemos na subida...
Demo-nos as mãos, com caridade,
e com toda a harmonia e lealdade
ELA nos levará à verdadeira vida...
O AMOR!!!...

Hermínia Nadais

quinta-feira, 7 de agosto de 2008

MISTÉRIO

O mistério envolto em segredo é uma necessidade vital do psiquismo humano. Feliz do homem ou da mulher que faz das relações com Deus o seu mistério... é a única forma de se manter fiel a todos os outros homens e mulheres.

sábado, 26 de julho de 2008

AMA!

Quando tudo te correr bem
e as pessoas te olharem com carinho...
Ama!

Quando a adversidade te bater à porta
e te parecer que o mundo vai desabar
em cimo de ti...
Ama!

Quando as nuvens chorarem de dor
e o Sol perder o brilho por ver tanta amargura...
Ama!

Quando o verde dos campos se esconder
e os passarinhos deixarem de cantar...
Ama!

Quando a ternura das flores mergulhar
na solidão das pétalas ressequidas...
Ama!

Quando o ritmo descompassado do coração
te alertar para um iminente perigo...
Ama!

Quando os mais pequeninos te pedirem abrigo
ainda que ninguém esteja contigo...
Ama!

Quando os grandes do mundo te obrigarem
a olhar com serenidade
os seus “querer tirar a pele” à humanidade...
Ama!

Quando a mentira te caluniar
e não encontrares por onde fugir
por não quereres retaliar o teu sentir...
Ama!

Quando a escuridão dominar a tua lida
e te arrumar num beco sem saída...
Ama!


Quando a incerteza se colocar no teu caminho
para nada poderes discernir sozinho(a)...
Ama!

Ama, ama... e poderás conseguir
um mais sincero desejo de amar
e uma mais forte vontade de sorrir!

sexta-feira, 18 de julho de 2008

O CAMINHO DO SONHO

O Sol do Norte aponta a direcção do Sul
e desfaz a brisa suave que as águas do Douro
(já quase mergulhadas no silêncio da foz)
deixam vaguear pelo espaço
até atingirem o íntimo do coração.

As gaivotas sobrevoam a terra com lentidão
e piam alegremente
sussurrando ao coração
murmúrios de paz.

Os veículos ensurdecem os ouvidos
na ânsia desmedida de levar os homens
a outras paragens – o lugar necessário no momento presente.

Alheia ao passado e ignorando o futuro
na minha “pequena joaninha”
me escondo do sol abrasador e voo nas asas do tempo
idealizando realização pessoal.

Então... a saudade de um “alguém” que
muito me ajudou a colocar-me no caminho do sonho
me amargura o peito...
e do fundo do meu ser brota mais forte um único desejo:
- Aprender, no dia a dia,
a viver cada vez melhor com esta saudade...
e que onde ele estiver... se sinta realizado e feliz!

terça-feira, 15 de julho de 2008

PRECISO DE PAZ

Preciso de Paz para viver em Paz
Preciso de Paz para transmitir Paz
Preciso de Paz para ser capaz
Preciso de Paz para compreender
Preciso de Paz para poder ouvir
Preciso de Paz para poder sorrir
Preciso de Paz para poder dar
Preciso de Paz para poder estar
Preciso de Paz para poder ser
Preciso de Paz para poder vencer
Preciso de Paz para poder ajudar
Preciso de Paz para me encontrar
Preciso de Paz para me convencer
Que sem sentir Paz
Não posso viver.

sábado, 12 de julho de 2008

MANHÃ PARA TODOS OS DIAS!

A noite perde-se na frescura amena do amanhecer!
Acordo de um sonho lindo!
Abro a janela do meu coração
e vejo-te a meu lado,
sorrindo!

Prendo-me mais uma vez
na suave ternura do teu rosto macio!
Cravo meus olhos nos teus
enquanto os meus dedos
trémulos e vacilantes
deslizam
na melodiosa lisura dos teus cabelos luzidios
e meus lábios sedentos
sorvem a frescura doce da tua boca de mel!
O meu peito ardente
de tanto encostado no teu
faz de nós dois
um fofo e leve novelo de algodão
voando nas asas da fantasia
qual nuvens rendilhadas
vagueando placidamente
sob o céu azul
do nosso amor sem limites!

Inesperadamente...
o despertador chama para o dia que começa!
Pena que a vida não seja toda de momentos como estes!!!...
maaaas... são momentos como estes
que nos seguram todo o resto da vida!

Então... antes de deixar este ninho de doação e amor
e partir para a luta torna-se urgente
proclamar
numa voz bem clara, ardorosa e quente:
“Querido(a)! Amo-te mais do que à vida!
Amo-te sem reservas e quase sem condições!
O que sinto por ti é AMOR...
um AMOR VERDADEIRO que me abrasa e fascina...
que me faz querer para ti tudo quanto tu queres
e me leva a tudo fazer
para conjugar com os teus gostos e necessidades
todos os meus desejos!

Tu és o sol da minha existência,
as cores da minha Primavera
e o perfume das suas flores,
a Estrela Polar que me orienta a vida,
a jóia primorosa que enriquece todo o meu ser,
a mão que silenciosamente me acalenta os passos
e me conduz a caminharmos juntos na mesma direcção
na busca do INFINITO para que ambos fomos criados!...

Revejo-me em ti... vivo contigo e para ti!...
SÓ TU... MEU AMOR...
para me encher de tanta felicidade!

Que os anjos velem todos os teus segundos
e te ajudem a ser imensamente feliz a meu lado
para todo o sempre...
porque... eu te AMO... perdidamente!”

Hermínia Nadais

quarta-feira, 9 de julho de 2008

INIMIGOS

Se cresço com as pessoas que são minhas amigas e mais ainda com o esforço que me obrigam a fazer as pessoas que gostam menos de mim... então... o meu único inimigo sou eu mesma... com todas as minhas más tendências que me podem arrastar irremediavelmente para onde eu não quero ir.

sexta-feira, 4 de julho de 2008

TANTA GENTE!




Tanta gente
amalgamada
e inquieta
misturada
salpicada
de algo
que não se sabe bem
o quê.

Nos corações
desejos de prazer;
nos rostos
traços marcantes
da busca de algo
que só encontrarão
dentro de si mesmos,
mas ao que
a chave da ignorância
não dá acesso.

Aparentemente
tudo está em paz!
Há tranquilidade...
entendimento...
talvez até
uma certa doação
na aceitação
razoável
de cada um tal como é.

Não sei se o ruído do espaço
deixa fugir o tempo
e o descanso se esvai
na busca descontrolada
da liberdade utópica
de bem viver
neste tempo de férias...
para chegarem descansados
ao trabalho,
mas apenas mais cheios
de si mesmos
e de coisa nenhuma.



Hermínia Nadais

domingo, 29 de junho de 2008

MISTÉRIO




A verdadeira compreensão entre os seres humanos só será possível quando cada homem conseguir ter Deus como seu confidente, e aceitar os outros homens como uma misteriosa dádiva desse mesmo Deus.
Hermínia Nadais

terça-feira, 24 de junho de 2008

AS MARAVILHAS DA VIDA

Da beleza do monte exala um delicioso odor a eucaliptos, giestas, pinheiros, fetos, carvalhos e castanheiros... dispersos sob o céu cinzento que delicadamente os vai humedecendo com a suave leveza de algumas das suas lágrimas.
As urzes, sargaços e tojos envergam toda a sua pujança na frescura das tenras crescenças, escondendo muitas outras maravilhosas e perfumadas flores que vão sorrindo por entre ervas rasteiras, deixando cair no solo acastanhado alguns pingos da água cristalina que lhes vai caindo do céu.
Por entre os troncos esguios realça a copa arredondada de uma gigante giesta que resolveu florir... quando as suas irmãs já exibem as sementes dentro dos brancos e espessos “carneirinhos”.
As pedras, friorentas e envergonhadas, deixam-se cobrir por um manto de musgo fofo, enquanto a caruma estendida no espaço vai adubando lentamente a terra e as pinhas envelhecidas deixam escapar os pinhões para que novos pinheiros possam preencher o vazio deixado pelo desaparecimento dos troncos cansados.
Na estreita via um pequeno carro vermelho quebra o delicioso silêncio da paz tranquila deste espaço de sonho.
Nesta tarde dominical, perdida entre céu e monte... sem palavras... sem ninguém... o mais fundo do meu coração exulta cantando os mais harmoniosos louvores à suprema sabedoria do Senhor da criação.

Montes de Viadal, 2008/06/15 – 15.00 h
Hermínia Nadais

segunda-feira, 16 de junho de 2008

AMIGO MUITO QUERIDO!

Mesmo rezando por ti todos os dias tenho tentado existir
sem o gosto doce das tuas palavras sábias e acolhedoras
e pensava que já me tinha habituado a viver sem ti, mas não!

Ontem mesmo a vida levou-me a sair de casa para os lados onde moras
e muitos corpos me pareciam o teu e muitas cabeças me pareciam a tua
eu olhava mais atentamente e reconhecia então que não era o teu rosto!

Sinto mais fortemente o sabor amargo/doce da saudade
aflige-me o ter sabido minimamente quem eras e como eras
e no respeito absoluto pela tua liberdade peço que Alguém te ajude a palmilhar
as agruras amargas das incompreensões da vida.

Não sei mais o que agora és nem o que virás a ser mas penso seriamente
que o mundo precisa muito de ti nos caminhos que antes percorrias
e se os não voltas a trilhar será uma perda irreparável no rodar de muitas vidas.

Nenhum de nós se pertence, tu também não, peço-te que penses
no enorme bem que poderás fazer aos outros.
Mesmo distante estarei contigo onde e como quer que estejas
porque uma amizade sincera não acaba nunca.

Amigo, somos mais felizes no dar que no receber
e sei que sempre te darás... oxalá consigas discernir ao certo onde o farás melhor
sentindo-te cada vez mais realizado e feliz.

Não sei se escrevo para ti se apenas para o vento
mas ainda que não me leias tenho a certeza de que o vento te falará por mim!
Um abraço!

2008/06/16 – 09.02H
Hermínia Nadais

terça-feira, 10 de junho de 2008

Alegria!

Para não ficar triste, magoada e ofendida, que dos meus familiares e amigos eu nunca espere as palavras que quero ouvir nem os carinhos que necessito ter, mas que procure avidamente as palavras que devo dizer e os carinhos que devo dar.
Hermínia Nadais

quinta-feira, 5 de junho de 2008

DEUS


Meu Deus... como és eu não sei!...
Disseram-me que existes e eu acreditei.

Acreditei, acredito e acreditarei.
Muitos outros acreditam também,
cada qual do seu jeito e da forma como a sua razão
consegue descortinar-TE!

Eu
vejo-Te assim como o Sol que ilumina e aquece a Terra
onde temos que aprender a viver constantemente
aproveitando simplesmente todo o abrasador aconchego dos seus raios.
Tal como o Sol és único para todos nós
e és único para cada um de nós em especial
assim como cada um de nós é único para si mesmo
para todos e para Ti
porque cada um Te vê de uma forma única como só ele sabe ver.

Dói ouvir tantas opiniões diferentes a Teu respeito...
Dói...
dói a nós que não conseguimos aceitar-nos
e nos revoltamos com a nossa imensa fragilidade
porque Tu aceitas ser para cada um de nós
o que realmente cada um de nós colhe de Ti
porque nos amas assim como somos
com defeitos e qualidades
boas obras e maldades
mesmo com os vícios e estorvos que em nós abominamos
e não conseguimos corrigir nem aceitamos.

Não sei quem és nem como és
mas também isso não me afecta nem me importa,
quero viver com meus irmãos de Ti... por Ti e para Ti,
o resto... será sempre... letra morta.

Maio/Junho 2008
Hermínia Nadais

terça-feira, 27 de maio de 2008

VIVER!



Viver é ser livre
olhar o mundo
com alegria e amor
descobrir
a beleza da erva rasteira
ou da flor
da nuvem que flutua no espaço
ou da água fresca
que consola a terra...
É olhar o infinito
e buscar no silêncio
momentos de paz...
É correr constantemente
pelo espaço do ser
na quietude harmoniosa
do tempo
e crescer
sem peso nem medida
nas alegrias ou tristezas
alternadas
no decorrer da lida.

2008/05/11 – 23.34h
Hermínia Nadais

sexta-feira, 23 de maio de 2008

INSEGURANÇA



Não sei qual o caminho a percorrer
Não sei o que está certo ou errado
Não sei se falar ou estar calada
Não sei se reagir ou estar parada
Não sei se procurar ou esperar
Não sei se olhar ou fechar olhos
Não sei como viver estes meus dias
Não sei como tratar as arrelias
Não sei como aceitar tantos escolhos
Não sei como é possível tanta asneira
Não sei como é que há tanta cegueira
Não sei como encontrar resposta certa
Não sei como passar estes momentos
Não sei como livrar-me dos tormentos
Não sei como se vê querendo não ver
Não sei como é possível entender
Não sei qual a melhor forma de agir
Não sei como consigo ainda sorrir
Não sei como será o meu futuro
Neste meu ser imperfeito e inseguro.

Hermínia Nadais – Carreiro das Pedras, Rôge

sábado, 17 de maio de 2008

A MÃE!


A Mãe!
Não tem rosto nem cor
É dedicação
Carinho e amor.

A Mãe!
Mesmo na amargura
Tem seu coração
Cheio de ternura.

A Mãe!
Senhora da vida
Que se auto despreza
Para dar guarida.

A Mãe!
Que sabe escutar
Para compreender
E melhor amar.

A Mãe!
Ser que “não existe”
E na doação
De todo persiste.

A Mãe!
“Está” para proteger
Dar força e coragem
Para o filho(a) crescer.

A Mãe!
Serena ou amargurada
Conforme o viver
De s(e)u(a) filho(a) amado(a).

Porque a Mãe!
Não tem rosto nem cor
É dedicação
Carinho e amor.

2008/05/17 – 15.00h

Hermínia Nadais

terça-feira, 13 de maio de 2008

MÃE!



Três letrinhas... o maior dom da humanidade!...
Mulher em cujo corpo floresceu a vida plantada no jardim do mundo voando nas asas do amor até ao infinito.
Dádiva permanente de alma e coração que alimenta, acarinha, escuta, encaminha, chora ou ri como amiga e companheira de todas as horas, vigiando constantemente a alegria ou a infelicidade... quantas vezes sentindo e sofrendo no maior silêncio o respeito pela liberdade do crescimento global dos seus filhos!
Característica primordial da mulher... que se não é mãe fisicamente... exercerá a maternidade de uma outra forma!
Mãe! És o mais puro reflexo do verdadeiro AMOR!...


Hermínia Nadais

sábado, 10 de maio de 2008

IGNORÂNCIA




Ufa!... Quanto mais tento aprender... mais possibilidades encontro para poder testar a minha incalculável ignorância...

domingo, 4 de maio de 2008

Maio, mês da Mãe



Quando chega o Mês de Maio,
Tudo no mundo se agita,
As flores abrem, nos jardins,
Toda a terra é mais bonita!

Os pássaros, chilreando,
Voam alegres no ar,
E os humanos corações,
Palpitando de emoções,
Repetem mil orações
Que ecoam, no seu cantar.

Cheios de encanto e harmonia
Honram a Virgem Maria
Que o Céu à Terra ofereceu!
E lembram a Mãe... aquela
Que um dia a vida lhes deu.

Maio é o mês das flores,
Mês de Maria e da Mãe!

A todas as Mães do Mundo
Saúdo com muito amor
E com muita gratidão...
Onde quer que se encontrem
E em qualquer condição.

Se na terra, tenham saúde
E uma vida de virtude,
Muito amor, satisfação.
Se no Céu, tenham a Paz
E felicidade sem fim,
Na eterna glória de Deus.

Mães queridas, perdoai
Àqueles que andam perdidos...
E com muita dedicação
Aceitai, do coração,
Os beijinhos de ternura
Dos vossos filhos queridos.

Hermínia Nadais

In “Notícias de Cambra”

sábado, 3 de maio de 2008

MÃE É VIDA



Óh! Mãe!.. Tu que és vida e deste vida,
Tu que amparas, proteges e vigias,
Óh! Tu que passas muitas tropelias
Para tirares os teus filhos da má lida...

No teu regaço todos têm guarida
Nos mais alegres ou mais tristes dias,
Quando no meio de ímpares arrelias
Te sentimos mais de perto... Óh! Mãe querida!

No teu dia te vimos saudar,
Agradecer o quanto nos tens dado
Com mui carinho e dedicação.

Teu doce nome vamos proclamar,
Mãe, és eterna, sempre ao nosso lado,
Temos por ti a maior gratidão!...

Hermínia Nadais

quinta-feira, 1 de maio de 2008

SER LIVRE



Ser livre é ser
como
a pomba a voar,
o pássaro a cantar,
a árvore a crescer,
a água a correr,
a folha a baloiçar,
o vento a assobiar
e a semente a nascer.

Ser livre é ser
como toda a natureza
mostrando sua beleza
seu encanto sem igual!...

Ser livre é ser
como sonhos irreais
com encantos sorriais
que nunca podemos ter...

Ser livre é ser
como é uma criança
que com toda a confiança
se atira aos braços da mãe...

Ser livre é ser
amigo de toda a gente
próxima ou mesmo ausente
e nunca prejudicar...
é perdoar quando ofendido
e ver no outro um amigo
custe isso o que custar!...

Hermínia Nadais

sábado, 26 de abril de 2008

GUERRA DE PAZ


Para quantos afirmam
que a paz
não se constrói com a guerra...
eu apelo
veemente
a começarem
de imediato
a travar a verdadeira
guerra de paz!

Ao contrário
do que muitas vezes se diz
a conquista da Paz
pressupõe a maior guerra...
guerra invisível
sim
mas profundamente
sensível
e que leva à maior dor
que se possa imaginar!...

Dói ver
dói observar
faz gritar de dor
o ver guerrear
com armas e canhões
estragar o progresso
com explosões
trocar palavras e gestos de guerra
matar corpos inocentes
e fazer sangrar almas e corações...

É lamentável sentir
como é fácil e mesquinha
estúpida e mentirosa
esta guerra
pavorosa
contra tudo
o que está fora de nós
e que não leva a nada
além da nefasta e desastrosa
destruição
desatinada!...

A única guerra
que leva
à verdadeira conquista da paz
é a guerra
que cada Homem faz
numa luta sangrenta
e aturada
pelo reconhecimento
destruição e morte
de todos os seus defeitos dominantes...
é cada homem
deixar de se colocar
sempre
no coração do mundo...
é o deixar
que o outro possa viver
a sua própria razão
de sentir estar
e ser...
é o tentar
avidamente
ver a razão do outro
antes de procurar
encontrar
a sua própria razão...
é o dar a mão
a quem nos ofende...
é o defender
com sensatez
a realidade
quando a maldade
à verdade
não se rende...
é o querer
como Pessoa
sempre crescer
crescer... crescer.

O ódio mata
sem piedade
o odiado,
mas mata muito mais
aquele que odeia...
então,
para não morrermos...
sem razão...
troquemos
o ódio pelo amor
e odiemos
apenas
tudo o que em nós está errado
e façamos tudo
para que esse mal
fique p’ra sempre
bem morto e enterrado!
Experimenta assim viver...
e sentirás
que, finalmente,
neste mundo
insolente
haverá alguma Paz!...

Hermínia Nadais
In Notícias de Cambra

terça-feira, 22 de abril de 2008

Canto de Amor!



Falar de incompreensão
“Contigo” nunca condiz,
Pois Teu doce coração
Escuta sempre o que se diz.

Meu Amor, fala baixinho,
Ao meu ouvido, em segredo,
Não quero que o mundo saiba
Que sem Ti, estou num degredo!...

Quando oiço o rouxinol
Muito alegre, a assobiar,
Recordo a vida que levo
Meu Amor, só por Te amar!

Cantas dentro de meu peito
Belos cantos de ternura,
Quando Contigo me deito
No meio da noite escura!

Estou tão louca de paixão
Tal como nunca senti,
Já matei minha ilusão
De tentar viver sem Ti!

Vejo muitas andorinhas
Poisadas pelos beirais,
Lembrando as falas meiguinhas
E os Teus sorrisos leais!

Gosto de ver as estrelas,
Luzeiros da noite escura,
Recordam-me a Tua luz
Que me enche de ventura!

É tão bom ficar sozinha
Sem ninguém a incomodar,
É a maneira mais fácil
Meu Amor, de Te falar!

Ter-Te, Amor, por companhia,
É toda a esperança minha,
Na angústia ou alegria,
Sei que nunca estou sozinha!

Sinto-Te dentro do peito
E não canso de dizer-Te:
“Não me deixes magoar-Te,
Prefiro morrer, p’ra ver-Te!”

Hermínia Nadais

Primeira versão do poema editado no meu livro
“ESPAÇOS... dos meus dias”

sábado, 19 de abril de 2008

CIÊNCIA


A maior ciência do homem é descobrir e aceitar a melhor forma de viver de harmonia consigo próprio e com a humanidade।

Hermínia Nadais

terça-feira, 15 de abril de 2008

CRITICADOR



Quem és tu, criticador?!...
Pessoa “perfeita”
e aprumada
com língua orgulhosa
e desatada
qual espada
espessa forte e afiada
que balançando
gira sem se saber por onde
e toca sem se saber em quê
porque só vê
o que quer e entende ser melhor
para espalhar por toda a parte
o ódio o desprezo e o terror?...

Quem és tu, criticador...
criticadora
cavalheiro linguareiro
ou senhora
sem escrúpulos
sem espelho
sem pudor ou contenção
que tem o umbigo do tamanho de um balão
para o olhar constantemente
e com a ideia
de que não há nada de bom
na gente que te rodeia?...

Quem és tu, criticador?!...
Um cegueta,
egoísta
impostor
que te julgas superior
a toda a gente
porque não enxergas as palas
que trazes da cabeça até aos pés
a estorvar-te de te ver tal como és?...

No dia em que conseguires
olhar-te frente a frente
verás
o quanto és cego
louco e deprimente!...

Então...
não mais criticarás
seja quem for
porque
o horror
que de ti mesmo
irás sentir
te fará passar
de impertinente
a um acérrimo defensor
de toda a gente!
Hermínia Nadais

segunda-feira, 7 de abril de 2008

MEU GRANDE AMIGO!

Amo-te mais agora quando
tudo parece perdido
na amarga dor de um desencontro
que não sei se algum dia irá desfazer-se.

Não conseguirás nunca
roubar-me das estranhas
a linguagem do teu olhar
nem obrigar o meu coração
a esquecer o calor da tua voz.

A minha mente viverá cada vez mais
de tudo quanto lhe deste
e os meus passos
me levarão à plenitude
que sempre procurei
guiada pela suavidade das tuas mãos.

Que a calma doce do tempo
afague as torturas normais do desenrolar da vida
e que longe ou perto
o “Amor Verdadeiro” nos cumule
de harmonia e paz.

Continuarei a minha luta
trauteando por ti
uma canção de saudade.

Hermínia Nadais

sexta-feira, 4 de abril de 2008

PAIXÃO


Numa tarde amena, um bando de pombas sobrevoava a cidade.
Quedou-se por momentos junto ao lago dos cisnes... onde um casal de velhinhos acabava a sua longa cavaqueira.
Por entre o relvado, os canteiros exibiam jacintos amarelados, azáleas vaidosas e delicados amores-perfeitos de hastes emaranhadas que formavam, aqui e além, tapetes fofos e coloridos.
O sol doirado caiu no horizonte! Lentamente, a escuridão da noite cobriu todo o espaço com o seu manto de carícias!
Então, os olhos apaixonados do orvalho, enamorados de tanta beleza, beijaram docemente a paisagem... até que o raiar do novo dia lhes enxugou o pranto.

Hermínia Nadais

quarta-feira, 2 de abril de 2008

EVIDÊNCIA

Por mais que o HOMEM faça para negar a existência de DEUS, apenas consegue mostrar com mais evidência que ESSE Ser Superior, chamam-Lhe o nome que entenderem, existe... e a Sua existência está tão intrinsecamente integrada no ser humano que leva o Homem a transcender-se a si mesmo na busca constante das raízes incompreensíveis do seu ser... onde... lá bem no fundo... de forma consciente ou inconsciente... habita Deus, quer seja ou não aí encontrado por esse mesmo homem।

Hermínia Nadais

AMOR

O homem não pode ser inimigo do homem, porque todo o homem foi criado para o mesmo fim – o AMOR. Por isso, quando o homem fala em vencer o inimigo, o único inimigo do homem é o desamor ou pecado, o seu pecado, ou seja, o abandono consciente e consentido do caminho que deve seguir - simplesmente, AMAR, com todas as implicações que a palavra encerra.

Hermínia Nadais

terça-feira, 1 de abril de 2008

NÃO!


Não procuro
nada,
porque não sou
nada
neste mundo escuro!

Não percebo
nada
porque não consigo
nada perceber!

Não sei como
vivo
porque não
consigo
aprender a ser!

Entre mim e o mundo
existe um vazio
tão largo e profundo...
que por mais que faça
nunca mais consigo
nele saber viver!


Hermínia Nadais

sexta-feira, 28 de março de 2008

Contemplação!

Admiro o brilho das estrelas e o luar!
O sorriso da manhã e o alvorecer do dia!
Olho ternamente os raios refulgentes do Sol que inundam os rostos, dão sabor à vida, enchem a terra de luz!
Prendo-me no encanto da Lua adormecida... na ternura do amigo... no chilrear dos passarinhos... nas ervas rasteiras... nas flores silvestres... nos plátanos gigantes... nas areias da praia... nas carícias do mar... nos rios caudalosos... nos ténues fios de água... nos peixes... nos animais... no esplendor da selva!
Escuto o enlevo das fontes... o marulhar das ondas... a canção do vento... o gorjeio do amor!...
E, assim... contemplo as obras primorosas da Natureza... enquanto o meu coração silencioso entoa os mais belos hinos ao Supremo Rei de toda a Criação!

Hermínia Nadais

quarta-feira, 26 de março de 2008

O MEU LIVRO


ESPAÇOS... dos meus dias

Hermínia Nadais

Publicado pela Editorial 100

NA GÉNESE DAS RAÍZES

NA GÉNESE DAS RAÍZES
Na génese de qualquer raiz existe sempre uma vida a desabrochar. Dentro de ti... existe muita vida. Olha bem para o jardim que és e faz tudo quanto puderes para fazer desabrochar todas as suas belas e delicadas flores

Hermínia Nadais
In “Espaços... dos meus dias”

A MINHA VIDA... E EU


A MINHA VIDA... E EU
Nenhum ser pode confundir-se com a vida. O ser é a amostragem da vida e o seu comando ou descomando

Hermínia Nadais
In “Espaços... dos meus dias”