Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

sábado, 1 de março de 2008

BUSCAS DE PAZ

BUSCAS DE PAZ
Maridos (ou) mulheres,
filhos, netos,
movimentos,
associações,
pessoas magoadas,
feridas,
maltratadas,
doentes,
e carentes...
de mimos
e consolações...
inúmeras preocupações,
canseiras e aflições
que não dá para acreditar
como é possível
que alguém
possa aguentar!...

São vidas cruzadas,
sofridas, abatidas,
desentendidas...
descontroladas...
quais fogueiras
apagadas
com poeiras...

Tantos corações
desfeitos,
amargurados,
perdidos,
desatinados...
tentando encontrar
pelo mundo fora
a tão almejada PAZ
do coração
que nunca encontrarão
na confusão,
no aqui e agora...
mas, calmamente,
no silêncio mais profundo
bem no fundo
de si mesmos,
onde a PAZ
realmente
terá que nascer...
ser cultivada
crescer...
e finalmente
morar
na mais bela forma de estar
e de viver!

Hermínia Nadais

1 comentário:

Janice Adja disse...

Parabéns!
Seus versos são lindos.
Obrigado por escrever.
Beijos!