Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2008

A PAZ ETERNA

Paz eterna!
Eu também
não sei muito bem
o que poderá ser essa paz
que tanto almejamos!...

Sei, sim
que a paz deste mundo
não é a ausência de guerra,
mas a luta constante
pela compreensão
e aceitação
do outro como ele é,
para,
unidos,
transformarmos a vida
e podermos trabalhar
juntos
na busca do infinito
que nos trará
realmente
a eterna paz.

Hermínia Nadais

Sem comentários: