Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

domingo, 9 de março de 2008

Vida... de MULHER!



Vida... de Mulher...
Mulher... da vida!
Tu que existe
Para te dar
E consumir
Num amor total
Desejado
E persistente...
Nunca poderás deixar
Que por alguém
Sejas ultrajada
E desejada
Para com isso sofreres
Estupidamente...
Sendo vista
E julgada
Como a mulher verme
Infeliz
Despudorada
Que ganha a vida
Na berma da estrada...
Pois também ela tem coração...
Ela ama e sente...
E tal como acontece
A toda a gente
É torturada
Pela amargura
E pela dor
Da falta de amor
Do depravado homem
Que a procura
Indiferente
A tudo quanto
Para ela é deprimente!

Não podes permitir
Que tal façanha
Te aconteça... mulher...
Tão frequentemente!...

Hermínia Nadais

Sem comentários: