Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

sábado, 26 de abril de 2008

GUERRA DE PAZ


Para quantos afirmam
que a paz
não se constrói com a guerra...
eu apelo
veemente
a começarem
de imediato
a travar a verdadeira
guerra de paz!

Ao contrário
do que muitas vezes se diz
a conquista da Paz
pressupõe a maior guerra...
guerra invisível
sim
mas profundamente
sensível
e que leva à maior dor
que se possa imaginar!...

Dói ver
dói observar
faz gritar de dor
o ver guerrear
com armas e canhões
estragar o progresso
com explosões
trocar palavras e gestos de guerra
matar corpos inocentes
e fazer sangrar almas e corações...

É lamentável sentir
como é fácil e mesquinha
estúpida e mentirosa
esta guerra
pavorosa
contra tudo
o que está fora de nós
e que não leva a nada
além da nefasta e desastrosa
destruição
desatinada!...

A única guerra
que leva
à verdadeira conquista da paz
é a guerra
que cada Homem faz
numa luta sangrenta
e aturada
pelo reconhecimento
destruição e morte
de todos os seus defeitos dominantes...
é cada homem
deixar de se colocar
sempre
no coração do mundo...
é o deixar
que o outro possa viver
a sua própria razão
de sentir estar
e ser...
é o tentar
avidamente
ver a razão do outro
antes de procurar
encontrar
a sua própria razão...
é o dar a mão
a quem nos ofende...
é o defender
com sensatez
a realidade
quando a maldade
à verdade
não se rende...
é o querer
como Pessoa
sempre crescer
crescer... crescer.

O ódio mata
sem piedade
o odiado,
mas mata muito mais
aquele que odeia...
então,
para não morrermos...
sem razão...
troquemos
o ódio pelo amor
e odiemos
apenas
tudo o que em nós está errado
e façamos tudo
para que esse mal
fique p’ra sempre
bem morto e enterrado!
Experimenta assim viver...
e sentirás
que, finalmente,
neste mundo
insolente
haverá alguma Paz!...

Hermínia Nadais
In Notícias de Cambra

4 comentários:

Victor José disse...

A guerra da paz... a paz da guerra... e há tanta gente que nunca encontrou um bocadinho de paz... nem sequer no seu próprio coração... também é necessária essa outra paz... a paz da alma...

Beijinhos, boa escrita e muita paz!

yaleo disse...

A guerra dentro d enós por vezes é bem pior que toda a guerra que mata...sem fazer da palavra guerra o que ela não é.
A guerra é sempre mortal, seja em que contexto for, e a guerra interior também mata.
Um beijo com amor:) e paz.

Cöllyßry disse...

Se a guerra dá tanto lucro, como acabar com ela...pobres daqueles que não sabem o que é Paz...belissimo poema

Doce meu beijo

Ricardo Tavares disse...

Concordo com o Victor José, a paz da alma é fundamental.