Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

sexta-feira, 4 de abril de 2008

PAIXÃO


Numa tarde amena, um bando de pombas sobrevoava a cidade.
Quedou-se por momentos junto ao lago dos cisnes... onde um casal de velhinhos acabava a sua longa cavaqueira.
Por entre o relvado, os canteiros exibiam jacintos amarelados, azáleas vaidosas e delicados amores-perfeitos de hastes emaranhadas que formavam, aqui e além, tapetes fofos e coloridos.
O sol doirado caiu no horizonte! Lentamente, a escuridão da noite cobriu todo o espaço com o seu manto de carícias!
Então, os olhos apaixonados do orvalho, enamorados de tanta beleza, beijaram docemente a paisagem... até que o raiar do novo dia lhes enxugou o pranto.

Hermínia Nadais

2 comentários:

Eduardo Joaquim disse...

Há tardes assim... há dias assim, há momentos para tudo.
Devemos agradecer o que a vida e Deus nos oferece.
Obrigada!
*
Nome/URL - sem URL (página)

Anónimo disse...

Esqueci de dizer que adoro tudo o que escreve, também as suas crónicas maravilhoras em http://textosdaescoladavida.blogspot.com
Parabéns
Eduardo Joaquim