Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

domingo, 29 de junho de 2008

MISTÉRIO




A verdadeira compreensão entre os seres humanos só será possível quando cada homem conseguir ter Deus como seu confidente, e aceitar os outros homens como uma misteriosa dádiva desse mesmo Deus.
Hermínia Nadais

terça-feira, 24 de junho de 2008

AS MARAVILHAS DA VIDA

Da beleza do monte exala um delicioso odor a eucaliptos, giestas, pinheiros, fetos, carvalhos e castanheiros... dispersos sob o céu cinzento que delicadamente os vai humedecendo com a suave leveza de algumas das suas lágrimas.
As urzes, sargaços e tojos envergam toda a sua pujança na frescura das tenras crescenças, escondendo muitas outras maravilhosas e perfumadas flores que vão sorrindo por entre ervas rasteiras, deixando cair no solo acastanhado alguns pingos da água cristalina que lhes vai caindo do céu.
Por entre os troncos esguios realça a copa arredondada de uma gigante giesta que resolveu florir... quando as suas irmãs já exibem as sementes dentro dos brancos e espessos “carneirinhos”.
As pedras, friorentas e envergonhadas, deixam-se cobrir por um manto de musgo fofo, enquanto a caruma estendida no espaço vai adubando lentamente a terra e as pinhas envelhecidas deixam escapar os pinhões para que novos pinheiros possam preencher o vazio deixado pelo desaparecimento dos troncos cansados.
Na estreita via um pequeno carro vermelho quebra o delicioso silêncio da paz tranquila deste espaço de sonho.
Nesta tarde dominical, perdida entre céu e monte... sem palavras... sem ninguém... o mais fundo do meu coração exulta cantando os mais harmoniosos louvores à suprema sabedoria do Senhor da criação.

Montes de Viadal, 2008/06/15 – 15.00 h
Hermínia Nadais

segunda-feira, 16 de junho de 2008

AMIGO MUITO QUERIDO!

Mesmo rezando por ti todos os dias tenho tentado existir
sem o gosto doce das tuas palavras sábias e acolhedoras
e pensava que já me tinha habituado a viver sem ti, mas não!

Ontem mesmo a vida levou-me a sair de casa para os lados onde moras
e muitos corpos me pareciam o teu e muitas cabeças me pareciam a tua
eu olhava mais atentamente e reconhecia então que não era o teu rosto!

Sinto mais fortemente o sabor amargo/doce da saudade
aflige-me o ter sabido minimamente quem eras e como eras
e no respeito absoluto pela tua liberdade peço que Alguém te ajude a palmilhar
as agruras amargas das incompreensões da vida.

Não sei mais o que agora és nem o que virás a ser mas penso seriamente
que o mundo precisa muito de ti nos caminhos que antes percorrias
e se os não voltas a trilhar será uma perda irreparável no rodar de muitas vidas.

Nenhum de nós se pertence, tu também não, peço-te que penses
no enorme bem que poderás fazer aos outros.
Mesmo distante estarei contigo onde e como quer que estejas
porque uma amizade sincera não acaba nunca.

Amigo, somos mais felizes no dar que no receber
e sei que sempre te darás... oxalá consigas discernir ao certo onde o farás melhor
sentindo-te cada vez mais realizado e feliz.

Não sei se escrevo para ti se apenas para o vento
mas ainda que não me leias tenho a certeza de que o vento te falará por mim!
Um abraço!

2008/06/16 – 09.02H
Hermínia Nadais

terça-feira, 10 de junho de 2008

Alegria!

Para não ficar triste, magoada e ofendida, que dos meus familiares e amigos eu nunca espere as palavras que quero ouvir nem os carinhos que necessito ter, mas que procure avidamente as palavras que devo dizer e os carinhos que devo dar.
Hermínia Nadais

quinta-feira, 5 de junho de 2008

DEUS


Meu Deus... como és eu não sei!...
Disseram-me que existes e eu acreditei.

Acreditei, acredito e acreditarei.
Muitos outros acreditam também,
cada qual do seu jeito e da forma como a sua razão
consegue descortinar-TE!

Eu
vejo-Te assim como o Sol que ilumina e aquece a Terra
onde temos que aprender a viver constantemente
aproveitando simplesmente todo o abrasador aconchego dos seus raios.
Tal como o Sol és único para todos nós
e és único para cada um de nós em especial
assim como cada um de nós é único para si mesmo
para todos e para Ti
porque cada um Te vê de uma forma única como só ele sabe ver.

Dói ouvir tantas opiniões diferentes a Teu respeito...
Dói...
dói a nós que não conseguimos aceitar-nos
e nos revoltamos com a nossa imensa fragilidade
porque Tu aceitas ser para cada um de nós
o que realmente cada um de nós colhe de Ti
porque nos amas assim como somos
com defeitos e qualidades
boas obras e maldades
mesmo com os vícios e estorvos que em nós abominamos
e não conseguimos corrigir nem aceitamos.

Não sei quem és nem como és
mas também isso não me afecta nem me importa,
quero viver com meus irmãos de Ti... por Ti e para Ti,
o resto... será sempre... letra morta.

Maio/Junho 2008
Hermínia Nadais