Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

quarta-feira, 9 de julho de 2008

INIMIGOS

Se cresço com as pessoas que são minhas amigas e mais ainda com o esforço que me obrigam a fazer as pessoas que gostam menos de mim... então... o meu único inimigo sou eu mesma... com todas as minhas más tendências que me podem arrastar irremediavelmente para onde eu não quero ir.

10 comentários:

gambling game lottery disse...

Damu pa kmu to?.. Nano ni klase blog man?

unsecured personal loans disse...

Can you add some more photos?


unsecured personal loans

Mariz disse...

Salvé amiga!

Não acredito que tenha inimigos. Para mim inimigos são aqueles que querem usurpar a todo o custo o queos outros t~em e se roem de inveja...onde o dinheiro está, e naõ só!
O que simples nortais poemos ter dão alguns/mas "menos simpatizantes". E realmente é aí que nnos devemos rever, porque o que não gostamos temos dentro de nós...
Mas como o amor tudo desfaz, toca a amarmo-nos dia a dia, cada vez mais...ou melhor!
Beijinhos meus
Mariz
ESPAVO!

Hermínia Nadais disse...

Ói! Amiga Mariz!
Claro que não tenho inimigos, não posso ter inimigos, não acredito em inimizades e tenho muita pena de quem odeia ou tem medo de ser odiado. Eu acho que o único ódio que devemos cultivar é o ódio à maldade. O Deus em Quem acredito e por Quem vivo satisfaz-me plenamente, e ainda que a tormenta me bata à porta, por Ele e com Ele aprenderei a suportá-la com muito amor e sem medo de ser odiada.
Então... como vão os gatinhos???
Espero que bem e que não lhe perturbem as férias.
Gosto muito de si, beijinhos,
Hermínia

Nilson Barcelli disse...

Gostei do seu blogue, que não conhecia.

Acho este pensamento brilhante. Eu penso mais ou menos o mesmo, mas jamais o conseguiria exprimir com tanta eloquência.
E gostei de mais alguns que li, igualmente muito bons.

A sua poesia também é magnífica. Eu não sei escrever assim, nem sei se algum dia lá chegarei, porque não me sinto poeta nem pretendo ser (escrevo para me divertir, para gastar algum do meu tempo livre). Mas sei reconhecer de imediato quem o é. E vi logo no primeiro poema que li que a Hermínia é poetisa.

Por tudo isso, parabéns.

aroma disse...

...Pois talvez sejamos nós o nosso próprio maior amigo e, também, inimigo. Gostei particularmente (talvez porque me revi)dessa última parte.

Bons aromas!

mariam disse...

grande pensamento... susbscrevo.

mas... ainda assim tento o equilíbrio (usar o dito bom-senso). acho que não tenho inimigos, acho!

resto de boa semana

um sorriso :)

Saramar disse...

Somos sim, nosso maior inimigo.
Pelo medo, peltalvez, ainda que a alma poderosa se abrigue em nós.
Seres humanos, imperfeitos, erramos, talvez contra nós mesmos.

Belo ensinamento em poderosas palavras. Gostei imensamente.

beijos

Vieira Calado disse...

É bom reflectir serenamente sobre o que nos rodeia e sobre nós mesmos.
Obrigado pela visita ao meu blog.
Beijinhos

neo-orkuteiro disse...

Reflexão que convida a refletir, eis o sentido de publicá-la. Ela sugere que você compreendeu na prática o que disse o maior mestre entre nós: "Amai os vossos inimigos"