Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

PARA TI!...

Não tenho medo de te perder
receio que te percas!...

Não sinto a falta da tua presença
necessito estar presente!...

Não me provoca solidão a casa vazia
temo o vazio da tua vida cheia!...

Sei que nunca partirá a corrente que nos une
mas a fragilidade dos nossos elos de segurança
podem desligar-nos dessa corrente!...

Assim...
na minha felicidade
desejo que estejas muito feliz!

Hermínia Nadais

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

LOUCO AMOR

De casa a abarrotar
com gente por todo o lado
de mesa enorme e aumentada
cheia e amalgamada
tachos panelas pratos e talheres
máquinas de louça atulhadas
com peças e mais peças a serem arrumadas
para meter na lavadora
ou para à mão serem lavadas
estou sozinha neste casarão
com tamanho sem fim
onde um espaço bem pequenininho
era mais que óptimo para mim.

Calma e brandamente
vou dando um jeitinho ao jardim
ou descendo as escadas
inclinadas
ao encontro de alguns dos meus pombinhos
que ficaram a arrulhar perto de mim
e de quando em vez
vêm aconchegar-se no meu pombal
onde carinhosamente
ainda me é dado
poder-lhes ajeitar umas bicadas.

E quando a saudade
me dilacera por demais o coração
sopro brandamente
o meu canto de ternura
abafado na melodia voadora das palavras ou letras
aos outros pombinhos que a vida distanciou
e agora como estes cá não estão
para virem encher seus meigos bicos
e logo fugir alegremente
ante os meus olhares regalados de contente
de os ver partir
apressados a sorrir
como aves sonhadoras
à procura de novos espaços bem traquinos
onde possam entoar toda a doçura
dos seus singelos e melodiosos trinos.

E enquanto o meu par desbrava mundos
e espero com carinho
o ver de novo cheio este meu ninho
verdadeiramente estou só...

Só... mas muito bem acompanhada
sem sentir momento algum de solidões
pois o amor de todos estes corações
preenche o ar que respiro nesta casa
onde um doido e “LOUCO AMOR”
muito maior
me enche de mimos e mantém aconchegada
me preenche de todo o coração
me aconchega mais a eles e mais nos une
e me faz pensar
que o estar perto ou longe é indiferente
para quem AMA e é AMADO... assim... tão loucamente!

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

CAMINHANTE

Caminhante, estou contigo...
anda de braço comigo
que a distância não afasta,
vivemos a mesma lida
vagueando pela vida
pouco do mundo nos basta!

Ir de encontro à humanidade
é nossa realidade
que a “gente” não compreende,
com tudo o que construímos
altos e baixos sentimos
já nada nos surpreende!

Ó meu irmão Caminhante
tens coração confiante
tua força arrasta montanhas,
destruído por ralés
mostras agora o que és
no mais fundo das entranhas!

Subi contigo ao “Tibete”!
Parti as minhas amarras!

Busco-me a toda a hora
sonhando ir por aí fora
numa aventura constante,
com verdade podes crer
com tudo o que acontecer
como tu sou caminhante!
Hermínia Nadais

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

DESENCANTO!

Acampei calmamente com malas e bagagens
no pleno encanto da vida desencantada!

Cantei, chorei, sorri, olhei claramente as saídas mais diversas
daquela estupenda e gigantesca encruzilhada!
Então parei, meditei e concluí por fim
que todas aquelas estradas
descontínuas diferentes emaranhadas maltratadas
de mim saíam e se dirigiam todas para mim.

Na ânsia desmedida de encontrar-me
segura do caminho a seguir
a partir de tantas desilusões
questionei-me no silêncio mais ruidoso atroz e arrasador
sobre o porquê de todas aquelas tremendas confusões.

Não há sombra de dúvida - rematei!
“A minha humanidade é só fraqueza
e é a partir dela que tenho que seguir
no meio de todas as controvérsias e aflições”

E apressei-me a tentar descortinar
a melhor senda por onde caminhar...

Mas... que o desencanto quebra amarras e arranja soluções
foi a única conclusão a que pude chegar!...

Então, com muita garra abracei o desencanto
e atirando por terra as ilusões
decidi não mais deixar de o abraçar
e com ele vencer as más ocasiões!
Hermínia Nadais