Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

LOUCO AMOR

De casa a abarrotar
com gente por todo o lado
de mesa enorme e aumentada
cheia e amalgamada
tachos panelas pratos e talheres
máquinas de louça atulhadas
com peças e mais peças a serem arrumadas
para meter na lavadora
ou para à mão serem lavadas
estou sozinha neste casarão
com tamanho sem fim
onde um espaço bem pequenininho
era mais que óptimo para mim.

Calma e brandamente
vou dando um jeitinho ao jardim
ou descendo as escadas
inclinadas
ao encontro de alguns dos meus pombinhos
que ficaram a arrulhar perto de mim
e de quando em vez
vêm aconchegar-se no meu pombal
onde carinhosamente
ainda me é dado
poder-lhes ajeitar umas bicadas.

E quando a saudade
me dilacera por demais o coração
sopro brandamente
o meu canto de ternura
abafado na melodia voadora das palavras ou letras
aos outros pombinhos que a vida distanciou
e agora como estes cá não estão
para virem encher seus meigos bicos
e logo fugir alegremente
ante os meus olhares regalados de contente
de os ver partir
apressados a sorrir
como aves sonhadoras
à procura de novos espaços bem traquinos
onde possam entoar toda a doçura
dos seus singelos e melodiosos trinos.

E enquanto o meu par desbrava mundos
e espero com carinho
o ver de novo cheio este meu ninho
verdadeiramente estou só...

Só... mas muito bem acompanhada
sem sentir momento algum de solidões
pois o amor de todos estes corações
preenche o ar que respiro nesta casa
onde um doido e “LOUCO AMOR”
muito maior
me enche de mimos e mantém aconchegada
me preenche de todo o coração
me aconchega mais a eles e mais nos une
e me faz pensar
que o estar perto ou longe é indiferente
para quem AMA e é AMADO... assim... tão loucamente!

11 comentários:

Ricardo Tavares disse...

Ai, eu detesto a solidão. Ainda que com um amor tão grande acaba por faltar sempre qualquer coisa...
Beijinhos

Hermínia Nadais disse...

Olá Ricardo! Gostei muito do seu comentário. É muito humano e real.
Mas pode crer que mesmo quando estou sozinha me sinto muito bem acompanhada. Gostava imenso de poder explicar-lhe todo o porquê deste meu sentimento... mas não encontro as palavras certas.
Quem sabe... um dia.
Muitos beijinhos para si e sua querida

Caminhante disse...

Olá Hermínia,mais um lindo poema que nos toca pala sua sensibilidade.
Não há duvida que, às vezes na solidão e no "baú" das recordações dos que continuam a ser-nos queridos, encontramos a melhor das companhias.
Minha amiga adoro os seus poemas, não pare de escrever, porque eles, por vezes são a nossa companhia.
Um abraço
Caminhante

Vieira Calado disse...

Boa noite!
Tudo bem?
Passei para ler e deixar cumprimentos.

Iana disse...

Sementes no chão, nasce e cresce emoção
Um jardim sem flores não é jardim
O meu é, e, floresce a cada dia, mesmo estando ausente
Minhas maravilhosas flores me enchem de alegria....

Amigos (as) O meu muito “Obrigada” por fazerem parte desse meu lindo e encantado jardim, e por terem o regado sempre enquanto estive ausente... Ao ler os vossos recados, deixaram-me alegre e feliz.

Passei por dias difíceis, (saúde) é, a saúde dessa vossa amiga não anda lá muito boa e é por isso que as vezes preciso de me afastar.

Tenho dias que não consigo estar por cá e dar a todos os amigos leitores o carinho que tanto merecem, receber dessa vossa “Rosa Amiga” o cuidado, dedicação, amizade, carinho e atenção.

Venho agradecer a todos pelo carinho, apoio, dedicação, atenção e amor pelo meu espaço entre as flores e pela minha pessoa. “Obrigada”!

Estou voltando aos poucos, e espero mais uma vez a compreensão de todos se caso eu demore a responder ou visitar-vos, espero estar bem para então voltar a dar o melhor que sei dar a meus queridos (as) amigos (as)...

Beijos doces dessa sempre
Rosa amiga
Iana!!!

Nilson Barcelli disse...

Estranhamente, ou talvez não, este teu poema levou-me até ao palco, onde o imaginei a ser representado (não apenas declamado) tal como os "Malefícios do tabaco".
Teria um efeito ainda melhor do que apenas ler. Seria onde o teu excelente poema mostraria a verdadeira grandeza que tem.
Gostei muito, mas mesmo muito deste teu poema.
Beijinhos.

Cöllyßry disse...

Encantador poema na passagem de dias na vida...

Fique bem, beijito

yaleo disse...

A solidão e o amor, uma ligação que só os poetas entendem.
Gostei muito.
Beijinhos Hermínia***

mundo azul disse...

Que beleza!
Ter um amor do lado e belas recordações no coração...Que mais pode querer da vida?

Um belo e sereno poema!


Beijos de luz e o meu agradecimento pela sua gentil visita...

R. Rudoisxis disse...

O conforto deixado nas palavras que escreveste lá pelo Sidadania revelam grandeza de alma e é o bálsamo purificador que tantas vezes precisamos para nos dar coragem para continuarmos a caminhada.
A reunião de familia e a mesa alargada que te faz feliz,acredito seria estendida a todo o mundo se tal fosse possivel tal é o tamanho da tua generosidade. Bem hajas por existires e continua sempre a amar o mundo que te rodeia. Bjs

Parapeito disse...

Só assim vale o Amor...Só assim vale a pena Amar e ser Amado.

***