Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

ELOGIOS... OU SILÊNCIOS

Quando não encontrares forma de poder elogiar uma pessoa, evita falar nela, pois ninguém tem o direito de denegrir a imagem de quem quer que seja.

terça-feira, 21 de outubro de 2008

VENDAVAL

Não chove, não faz frio nem cai neve, as nuvens não fogem desesperadas nem o vento sopra como louco. Não são estes factores do tempo que fazem as mãos trémulas e as pernas enfraquecidas, os corpos inseguros e os corações deambulantes, as frases entrecortadas por suspiros escondidos nas asas egoístas das ignominiosas torturas que acompanham tantas vidas sombrias disfarçadas pelas mais sorridentes gargalhadas e boas disposições... que agodizam ainda mais fortemente os sofrimentos atrozes e esmagadores perdidos na calada da noite.
Realmente, não é preciso que haja mau tempo para que se viva no mais tremendo, estúpido e enormíssimo vendaval.

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

MARINHEIRO PERDIDO

Sem Estrela do Norte
Num barco sem leme
Nem que seja forte
Marinheiro treme.

O farol, na praia,
Quase não dá luz,
O homem aflito
Chama por Jesus.

Mas “Ele”, escondidinho,
Finge não ouvir,
E o manso barquinho
Vai a submergir.

E o marinheiro,
Sem ter salvação,
Atira-se à água
Em grande aflição.

Flutua nas águas
Quando sente alguém,
Uma tabuinha
Flutua também.

E o marinheiro,
Sem Estrela do Norte,
Nessa tabuinha
Se salva da morte.

sábado, 11 de outubro de 2008

CENTRO CIRÚRGICO DE COIMBRA

É uma casa amarela... na berma da estrada e no centro de um relvado com canteiros floridos, rodeada por uma faixa preta onde o vaivém de alguns veículos anunciam a movimentação de pessoas para intervenções cirúrgicas.
Casa bonita e requintada... mas onde o tempo não passa, a alegria se esvai e o ruído dos mais de cem veículos por minuto rodando apressados na via ensurdece...
Nada satisfaz a lentidão do tempo na cura do sofrimento humano... e a beleza esfuma-se por entre o desconforto do amargo sossego da espera.
Não! Trabalhar não é difícil! Difícil é estar parada... terrivelmente parada e sem nada que possa ajudar a mover a inércia do tempo.

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

CANTO!

Canto o meu canto
ao dia que amanhece
à manhã que se levanta
com todo o seu esplendor
ao Sol que alumia
com toda a sua luz
e nos aquece
com todo o seu calor.

Canto a beleza
dos montes ou jardins
a delicadeza das águas das fontes
a grandeza das nuvens
que sulcam o ar
os pássaros que cantam
nos prados e montes
a humildade da relva
que tapeteia o espaço
e os longos caminhos
que cruzam o lidar
que nos dão prazer
ou enchem de cansaço.

Canto o coração ardente
e a alma que rejubila
a cada amanhecer
canto a vida
que brota em cada ser
a renovar-se
tão sabiamente.

Canto... e não me canso de cantar
as maravilhas que a vida me vai dando
canto a manhã a noite
a madrugada
canto por tudo por pouco
e até por nada
canto a plenos pulmões
ou sem dizer palavra.

Canto com lágrimas nos olhos
ou sorrisos no olhar
com o coração a cantar ou a sofrer
com o sangue a escorrer por ele
jorrando...
Canto sem parar ou esmorecer
porque assim é melhor para crescer
na vida que a correr se vai passando!...

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

CRITICAR... não!...

Ninguém deverá ter nunca a ousadia de criticar as fraquezas e imperfeições de outrem...pois a fragilidade humana dificilmente suporta fortalezas!...