Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

NA PAZ DA TARDE...

Uma “folha colorida”
e marejada de tempo
vagueava pelo espaço
cantando lindas histórias de encantar!
Tão belas
que entretinham os sorrisos das estrelas
e adoçavam o coração do Sol
os lábios da Lua
a meiguice das flores
e os segredos do vento!

Em suaves melodias...
a “folha colorida”
cantava a ternura suave e doce
dos bebés acolhidos
sob a frondosa copa da árvore
onde vivera,
a paixão dos que sob ela vira enamorar-se
e ainda as carícias dos que
aproveitavam
a serena quietude dos bancos do jardim
para desfiar memórias!...

Quadro (in)vulgar
e uma delícia para a vista
de quem tem olhos para ver
e de consolo para o coração
de quem é capaz de amar!...

Por esse mundo perdidas,
quantas exposições assim,
deslumbrantes
e plenas de detalhes outonais
do tempo e da vida!...

E com quanta felicidade e alegria
nos podemos extasiar
sorvendo a beleza incomparável
e inconfundível
dos odores outonais do tempo
e sentindo na alma
a chegada lenta e calma
das características outonais da vida,
na melodiosa paz da tarde!...

9 comentários:

Mariz disse...

Salvé Hermínia

Que belo e sentido poema...inspirada onde? Na alma?

Espero que esteja tudo bem e que continue feliz.

Um abraço grande,grande!

Mariz

ESPAVO!

•.¸¸.ஐBruneLLa Wyvern disse...

EU preciso de uma folha colorida!
beijos e borboleteios

Jacky - Tudo posso realizar!!!! disse...

Lindo poema como sempre...
adorei

Gilbamar disse...

Minha amiga Hermínia, você compôs num poema lindo como que um hino aos sentimentos. Eu fiquei realmente tocado com sua sensibilidade poética.

Deixo meu fraterno abraço amigo.

Vieira Calado disse...

Quanta felicidade seria o retorno às coisas simples dos campos, dos nossos avós!

Bjs

Maria Jose disse...

Mas que tarde tão serena
Que a Hermínia sente na alma
Nas reflexões da vida
Que lhe trazem paz e calma

Saboreie essa beleza
Que é tão rara, hoje em dia
E sentirá, de certeza
Momentos de alegria

Eu também, já vou sentindo
O inevitável Outono
Do tempo e das nossas vidas
Aproveitando o que há de melhor
No baú das recordações
Com as folhas coloridas
De passagens, não esquecidas

Bjs.
Maria José

yaleo disse...

E com tanta felicidade poética deixo-te um convite:)
Visita-me*

Angel of Light disse...

Minha querida e doce amiga... tenho lá no blog algo que gostava que participasse em pleno: com palavras e com uma foto tua. Alinha? Vá lá espreitar...

Beijinhos de Amor e Luz!

Mariz disse...

Qvida seja um Outono de reflexão, esperando o provir.

Beijinhos meus de sempre

Mariz