Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

domingo, 9 de novembro de 2008

TEMPESTADES

Nas “tempestades”...
quase sem pensar
fico
parada no tempo
e sujeita a marés
como as águas cintilantes
da ria!...

Então
vou planando no espaço
a voo rasante
como as gaivotas
e como os pescadores
vou pensando
qual a melhor hora
de deitar o ‘meu barco’
à água...

Entretanto
espero que os raios
ensolarados
atravessando
a escuridão das nuvens
venham acariciar-me o rosto
e ensinar-me aos passos
os caminhos da luz.

9 comentários:

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

CONCURSO

Há um novo concurso no meu www.aminhatravessadoferreira.blogspot.com.
Comparece e concorre. Muito obrigado

Diego disse...

NAda como sabewr que tudo tem sua hora e que o tempo acalma
Abraços
A qtp ao meu blog,
"Eu não acredito em você" foi irônico...rsrsr

Mariz disse...

Querida, amiga!!!
Só agora tive um tempinho para vir até aqui, saborear mais um desses sentires tão doces e serenos.
Tenho pena de não saber colocar aqui uma gaivota, mas vou a seguir enviar-lhe por outro lado.
Esta poesia faz-me lembrar o Fernão Capelo Gaivota...não sei porquê...veio-me á memória.
Deixo um beijo terno e eterno
Sempre,
Mariz

ESPAVO! - reconhecendo a Luz que há em si

D.Ramírez disse...

Tenho alguns bons amigos ai de Portugal, fotógrafos e admiro demais o trabalho deles, e incluo agora o seu, pelos textos poéticos postados.
Besitos

Deusa Odoyá disse...

Olá minha nova amiga.
Passei para conhecer seu blog, e me deparei com um poema muito lindo e iluminado.
parabéns.
Voltarei mais vezes.
Uma semana abençoada por deus.

Regina Coeli.

Te aguardo em meu cantinho

Iana disse...

Linda obrigada pela sua doce presença, pena que o dia que lá passou eu estava mesmo muito mal e sem condições de visitar tantos amigos...

Hoje me sentindo um pouco melhor decidi navegar e dar beijos as pessoas amigas que regaram minhas flores enquanto eu estive ausente.

beijos em seu coração
encantada com sua escrita!

Abraços da rosa amiga
Iana!!!

Jacky - Tudo posso realizar!!!! disse...

Cada dia que passa, fico imprecionada com seus poemas...
Eu simplesmente adoro...
\bjos

Nilson Barcelli disse...

Belo poema cara amiga.
Uma atitude de cautela e esperança perante a vida, toda ela repleta de tempestades.
Ou a experiência de quem sabe que depois da tempestade virá a bonança, exterior e/ou interior.
Beijinhos.

Janice Adja disse...

Acabo de descobrir de onde você descreve tantas paisagens belíssimas.
Portugal!!!! . .. Tive um amigo que morou em Lisboa durante muito tempo. Ele amava Portugal, fala com palavras de muito amor. Beijos!
Você tem nas veias o lirísmo das Quintas e dos vinhedos.