Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

sábado, 10 de janeiro de 2009

ESPERANÇA


Vagueio perdida pela estrada da vida
sem saber o que fazer ao longo do caminho.

E quando aos poucos vou descobrindo
os desenganos por onde tenho andado
eu fico baralhada
sem saber o que fazer ao longo do caminho.

Penso e volto a pensar e continuo sem encontrar
o sítio certo por onde caminhar
e fica assim parada
sem saber o que fazer ao longo do caminho.

E sinto-me só abandonada confundida amalgamada
sem saber o que fazer ao longo do caminho.

Mas também não sei as curvas do caminho
por isso vou andando bem devagarinho
esperando que um Sol me ilumine a qualquer hora
para me mostrar o caminho certo, sem demora!

7 comentários:

•.¸¸.ஐBruneLLa Wyvern disse...

Seu texto é como um abraço, gostoso de sentir!
Beijos e borboleteios

Poemas Novos disse...

Primeiro, obrigado pelo seu comentário no meu blog. É surpreendente como a sua escrita é serena, calma, maternal.

Parabéns!

Julio - Poemas Novos.

Iana disse...

Minha querida amiga que bom te encontrar novamente...

Minha linda, fiquei feliz demais ao ver-te em meu jardim... Obrigada mesmo.

Olha pois é, vidas-interrompidas estou escrevendo este ano com fé ele sai... :) mas antes disso aviso-te.

beijos seu carinho em meu cantinho já me fazia falta
Iana!!!

Mariz disse...

Sim! Caminhar devagarinho, sem "pressas", sem muita "distracção", porque ele deve ser solitário e silencioso.
Ainda não entendi porque há tanto temponão me visita e descobri que deu um passeio até á minha amiga Lucy - que já vem de outras caminhadas - e não me foi fazer uma visita.
Estranho...
beijinhos meus
Mariz

Menina do Rio disse...

Quantos de nós não nos embaralhamos! Entre as teias que nos atam, prendem, elançam, tecem e vamos seguindo nesse emaranhado que é viver...

Um beijo

Serjones disse...

cara hermínia, ao ler seu poema me lembrei de uma frase célebre que eu não sei quem é o autor: "o caminho se faz ao caminhar".

Janice Adja disse...

Acabo de ler teu blog. Fui de "cabo a rabo", amei. Voltarei sempre que possível. Ele me deixa lhana.
Beijos!