Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

quarta-feira, 27 de maio de 2009

ESTRANHA SENSAÇÃO


Ninguém à espera
nenhum sítio aonde ir
nenhuma meta onde chegar
nada a que me possa segurar
para me fazer sentir
alguém
chorar
cantar
escutar
falar
sorrir


Resta-me
encher o olhar
no horizonte
sentir o perfume
da ria
em minha fronte
ouvir o bramir
das mágoas
no canto da Natureza
a exalar
formosura
e beleza
nas gaivotas
planando sobre as águas
no vento aflito
que solta suas mágoas
nos calmos peixes
vagueando em cardumes
colhendo amor
vendendo azedumes
enquanto as traineiras
pachorrentas
se acostam lá no cais
descansando das tormentas.

E lá na alta torre
aonde o sino mora
alguém o faz chamar
quem Deus adora.

E, quebrada a indolência e a preguiça
há que fazer-se à estrada
e ir à Missa!...

sexta-feira, 15 de maio de 2009

VAGUEANDO!


Parte, Maria,
tu mais tu!

Leva contigo
tudo quanto te arrelia
e deixa para trás
o espaço e a vida
e tudo quanto contém!

Vai por aí além
à procura doutros horizontes
rios e fontes
prados e montes
sossegos e confusões
o presente e as tradições
que dão alento às almas
e preenchem os corações!

segunda-feira, 11 de maio de 2009

O bem ou o mal


Todos os homens têm de trilhar um caminho. Se não tiverem a fortaleza, a coragem e o dom da sabedoria para seguirem o caminho do bem, seguirão pelo caminho do mal, irremediavelmente.