Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Quero amar-te


Se não temos a certeza de que tudo fizemos pela felicidade do ser que pensamos amar, em vez de palavras bonitas mas ocas de sentido, será melhor dizer, muito humildemente: Não sei se te amo, mas, ardentemente, sei que quero amar-te.