Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

sábado, 25 de julho de 2009

Pasmaceira


Num qualquer domingo
na beira da ria
esperando o almoço
já longe do meio dia…

enquanto a panela
se digna ferver
ninguém tem ideia
do que há-de fazer…

e dormem na cama ,
dormem no sofá,
também na cadeira…
e um pega o binóculo
como brincadeira…

E nesta tarde calma
do Inverno soalheira
estarmos por aqui
tão desta maneira…
não sei se é descanso
ou se é pasmaceira.

1 comentário:

Nilson Barcelli disse...

Adorei este teu poema querida amiga.
Aparentemente escrito "ao correr da pena", as palavras resultam muito bem, tornando o poema muito melódico e cheio de ritmo.
Parabéns.
Boa semana, beijo.