Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

sexta-feira, 9 de abril de 2010

A ÁGUA DO RIO



Uma nascente
brota da terra,
algures,
no cume dum monte.

Desce lentamente
ao longo do vale
e recebe em si
a água que fluí
noutra nascente.

Fica contente!

E corre cada vez mais veloz
na força
que lhe advém
do encontro
que provém
da água de mais
outra
e outra
e outra…
e mais outra nascente…
que a ela
se juntam
deslizando
saltitando
e
cantando alegremente.

É sem querer!
Acontece!

Pois nada
as manda escolher
este caminho…
é o caminho
que lhes aparece
e que todas aproveitam
para percorrer
numa irresistível
união
de forças e acção
para ir ao encontro
de algo
que as encha
de maior satisfação.
Seguras de si
estas nascentes
alargam sua estrada
e perplexas
emergem na paisagem
fazendo a distinção
de cada margem.

Na via aberta
por elas percorrida
os homens fazem estrada
que facilita a vida.

E a água do rio,
lentamente,
a sussurrar,
encontra, finalmente,
o grande mar.

E fica aflita
pois não tem por onde fugir
e nada mais pode fazer
do que entrar
e desaparecer
ao se integrar
na imensidão profunda
desse mar.

E num doce aceitar
desta morte permanente
infiltra-se no mar,
suavemente!

E agora mar…
enamorada da areia
faz baixa… ou praia mar
conforme a maré está
vazia ou cheia.

E é neste marulhar…
sem ansiedade…
que a água do rio
vive em pleno…
a “LIBERDADE!”