Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Cartaz… não!...


Costumamos dizer que quem gosta de cartaz vai trabalhar para o circo… mas bem vistas as coisas, há inúmeras maneiras de fazer cartaz, bem fora do circo, resta, sim, valorizar ou não esses cartazes que vão aparecendo feitos.
Vivemos num país de índole cristã, podemos mesmo dizer que de índole católica, ou seja, universal, resta-nos ver o porquê e o como.
O porquê é fácil. Quando nascemos arranjaram-nos uns padrinhos, levaram-nos a uma igreja qualquer e pediram a um padre nos baptizasse… e ficamos católicos, pronto!...
O como é bem mais complicado. Passados meia dúzia de anos, acompanharam-nos à catequese e até tiveram o cuidado de nos incentivarem a receber o Crisma… e foi mais uma etapa do nosso cristianismo católico. No nosso tempo ainda era muito feio não casar pela igreja… e nós casamos na igreja.
Agora… vamos à missa quando nos apetece; quando morre algum familiar ou amigo vamos ao funeral; além dos referentes aos nossos familiares, claro, vamos também aos baptizados, casamentos, comunhões e crismas de outros amigos. E somos cristãos católicos… assim… desta maneira… com que até nos podemos mostrar como pessoas boas e capazes… mas de católicos, muito sinceramente, pouco mais temos que o nome.
Haja coerência! Cartaz… definitivamente, não!

Sem comentários: