Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

quarta-feira, 9 de junho de 2010

DEAMBULANDO!


Perdida no dia do tempo
vagueia pela noite da vida
algures
deambulante
sem lamento
por um espaço incerto e desconhecido
onde a surpresa acorda
para novas realidades
que se sobrepõem às histórias
fraquezas
saudades
memórias
nobrezas
incertezas
vivências inesquecíveis
perturbações da infância
luzes da adolescência
convite à prudência
da idade da razão
que desperta
quando o ser na lida
cresce e agarra a vida
com toda a força de que é capaz
crescendo sem parar
e sem nunca recuar
buscando a paz
que apenas consegue
na ventura
de se lançar sem reservas
na aventura
de viver a vida crescendo
a cada hora
com tudo quanto acontecer
no aqui e agora
despertando para a nua realidade
a que chama com verdade
e sem demora
um navegar na utópica
“LIBERDADE”!

Sem comentários: