Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

sábado, 31 de julho de 2010

Bola de fogo


Sou uma bola de fogo
No espaço, e sem rodar,
Não há luz, calor ou vida
Na Terra p'ra mim tão querida,
Se sair do meu lugar!...

Em qualquer hora do tempo,
Meu trabalho está presente...
De noite, mando a criada,
E de dia, atarefada,
Trabalho constantemente.

Num dia claro e radiante,
Sem nuvens p'ra me esconder,
Podes cegar num instante,
Se me olhares, confiante,
De que me poderás ver.

Põe-me raios circundantes,
Faz-me dentro uma carinha
Nos teus desenhos brilhantes,
Quero ser engraçadinha.

Eu não sou fêmea, sou macho,
Meu calor pode queimar...
Se não tiveres o cuidado,
Que te é recomendado
Para sob mim estar.

Quem sou eu, com tudo isto,
É fácil de adivinhar!...

sexta-feira, 30 de julho de 2010

CULTOS!


Cada vez me convenço mais que o homem/mulher, na realidade, são seres muito estranhos e diferentes, mas de modo a se completarem mutuamente.
Quando, por volta das onze horas, estou só em casa e vagueando pela cozinha nos afazeres domésticos, costumo ligar a TV para acompanhar a celebração da Eucaristia, que, normalmente, é transmitida do Santuário de Fátima.
Ao ligar a TV chamou-me à atenção o programa que estava a dar, não sei em que estação, era o top das mulheres mais magras e charmosas, para o que havia fotos e comentários sérios e concisos, muito bem orientados.
Fiquei perplexa!
Claro que é por demais evidente que temos de olhar muto bem pelo nosso corpo, é um dever, é ele que nos representa, é com ele que fazemos tudo e nos apresentamos tal qual somos, ele é o nosso Bilhete de Identidade social, e nisso acho que todos estamos de acordo, temos de estar, é imperioso. Mas, este comportamento, sendo parte integrante do nosso ser pessoas, não pode absorver-nos demasiado, pois pela lei da vida, irremediavelmente envelhece, e perde qualidades até perder o sopro de vida que o anima, para voltar à terra, onde todo o ser perecível acaba.
Tantos cuidados com o corpo que um dia desaparece, leva a que tenhamos muito mais cuidado com o espírito que o anima e é eterno.
Dai-me homens/ mulheres/ pessoas que vos darei cristãos.
Desprendamo-nos dos cultos que frustram para dar maior atenção e cuidado ao amor verdadeiro que nos irmana e enobrece.

quinta-feira, 29 de julho de 2010

SEJAMOS VIDA!


A vida do homem mede-se pela compreensão, dedicação e amor que brote de todo o palpitar do seu coração. Assim, e para que haja vida, olhemo-nos profundamente para que de nós possamos retirar tudo quanto possa fazer de nós cadáveres ambulantes.
Quando se fala de vida quer-se suprimir, evitar, erradicar a morte e tudo que leve à morte… a morte que se apresenta na frente dos nossos olhos com o desaparecimento da pessoa que escondemos na terra.
Quantos cuidados, e pertinentes… com o evitar desta morte física!!! Mas tanto desprezo pelo evitar da outra morte… que é bem pior que esta: a deslealdade, a mentira, a calúnia, o desprezo, a arrogância, a prepotência, a irresponsabilidade, a falsidade, a avareza, a usurpação, a hipocrisia… tanto ódio que mata e destrói!
Abramos nos nossos olhos de seres humanos que somos, cada vez mais responsáveis pela continuação da vida do universo… e sejamos vida!

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Gaivota da ria


Gaivota malhada
correndo apressada…
elegante e airosa
muito assenhorada!

Não tem qualquer medo,
não corre, não espanta,
seu olhar cativo
parece ter esperança
de encontrar algo
ou alguém que perdeu
neste ponto incerto
entre terra e céu.

Um carro se apressa
e ela esvoaça…
ligeira, ela foge
com grande ar de graça!...

E entre a terra e o céu,
neste seu recanto,
sobrevoa a ria
com o mais belo encanto.

terça-feira, 27 de julho de 2010

Contemplação da natureza

Quando se começa um trabalho o sonho é acabá-lo. E faz-se tudo para o conseguir. Para tal, enquanto trancada no meu escritório, a tarde deu lugar à noite que, aliás, ainda guarda alguns reflexos de sol bem visíveis no maravilhoso círculo que envolve a lua. As nuvens cinzentas, embevecidas, parecem ter terminado o seu bailado parando, algures, bem presas no azul do céu, velando a terra. Os arvoredos cederam os seus verdes à escuridão, e agora, as janelas das habitações brilham como estrelas, enquanto, placidamente, meu coração rejubila nesta incomparável, silenciosa e harmoniosa alegria da contemplação da natureza – embriagada com os meus dois dedos de poesia

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Sabedoria

Senhor! Ajuda-me a compreender a sabedoria dos homens e a aprender a sabedoria do coração… a Tua sabedoria!
Os seres humanos superiores, aos pouquinhos, vão compreendendo a sabedoria dos homens e aprendendo a sabedoria do coração.
Que cada homem seja superior e se esforce por compreender a sabedoria dos homens e por aprender a viver na sabedoria do coração – que é o verdadeiro amor – Tu!

domingo, 25 de julho de 2010

Murmúrios no silêncio!

O tempo está cinzento
a ria calma
mas os turbilhões da incerteza
saturam por demais
o coração dentro da alma.

Aqui,
até as gaivotas são escassas,
e os poucos passarinho
que planam calmamente
passam despercebidos
a quase toda a gente.

A noite,
foi longa e mal dormida
com tanto rumor de carros
e tanta porta batida!...

Na maré baixa e águas calmas…
uma pequena embarcação
prestes a arrancar
de gente cheia,
lembra o Teu andar
no Mar da Galileia!...

Os pescadores
vão lançando as canas
a convidar os peixes a subir…
mas obstinados…
eles teimam em fugir.

Puxa vida
para tanta teimosia…
do pescador que não arreda pé
e do peixe que não sai da água fria.

Que persistência
a dos pacatos pescadores…
têm tanta paciência
que até causa horrores!...
porque a multidão de peixe que há na ria,
não aceita querer sair da água fria.

E muitos pescadores continuam a chegar
para a pesca por aqui continuar.
E sempre alegres e sem desanimar
vão lançando o anzol á espera de pescar.
Este é um exemplo a seguir,
a imitar,
por quem vive como eu
ligado ao Teu lidar.

sábado, 24 de julho de 2010

Luta diária


Somos seres humanos, seres sociais por excelência!
O nosso “ser sociais” faz-nos responsáveis uns pelos outros e dependentes uns dos outros!
Devemos ajudar-nos mutuamente e ser presentes uns aos outros…contudo, muitas vezes, buscamos o que gostamos e tentamos evitar tudo quanto nos magoa!
O nosso ser sociais leva-nos a sermos arrastados por exemplos e a arrastar pelo exemplo que damos!
Tanto quanto possível, por nós e pelos outros, temos de nos precaver de errar!...
A nossa responsabilidade pessoal e social, acima de tudo, tem a ver com as ajudas que damos a quem precisa, a começar por nós mesmos, e mede-se pela forma como nos comportamos, assim, connosco próprios, com o nosso crescimento pessoal, e com o bem estar do nosso próximo, certos de que o nosso comportamento serve de exemplo a quem nos vê.
A busca da máxima responsabilidade deverá ser a nossa luta de todos os dias!

sexta-feira, 23 de julho de 2010

NEM INSIGNIFICANTE… NEM IMPORTANTE!


Uma pessoa que vê tudo pela negativa ou pela positiva e se acha muito insignificante ou muito importante… nunca abre o coração com ninguém.
Se se acha insignificante não se socializa por ter medo de ser criticada, e se se acha importante é porque pensa que não precisa de nada.
Em qualquer dos casos… essa pessoa é assim como um quarto com as janelas e portas fechadas… sem possibilidade de receber a luz do sol.
Somos seres sociais por excelência e só a socialização nos fará crescer!
E não nos admiremos de sermos diferentes de todos os outros, porque é na diferença que está a nossa verdadeira importância pelo complemento que somos uns dos outros.
Então… complementemo-nos, crescendo sem parar!

quinta-feira, 22 de julho de 2010

BORRACHÃO E BORRACHEIRA


Num dos países africanos um jipe corre apressado pela floresta quando, de repente, aparece um elefante desvairado no centro da via. O condutor põe o pé no travão, sai do trilho e, deslizando por entre a manada, deixa que o veículo choque no tronco de uma enorme borracheira, onde permanece, imóvel, olhando o estrago dos farolins!...
Então, enquanto os elefantes vão fugindo, espavoridos, bebe mais uma cervejinha... mas num repente, arrastando calmamente os pés entorpecidos, entre o risonho e o cambaleante, apressa-se a levantar do chão um enorme chifre... graças... já se vê… à desmedida potência e incontrolada ousadia da sua inusitada “borracheira”.
Acontecimento único... pois como o pachorrento encontro de um “borrachão” com uma borracheira acabou em marfim... nem dá para acreditar!...

quarta-feira, 21 de julho de 2010

PARTILHA


Hoje é muito tarde e estou extremamente cansada. Então, resolvi não procurar nada já escrito nem escrever nada especial, mas partilhar o que senti na partilha de uma meditação bíblica, (Ef 4, 25-31) no início de uma reunião de trabalho. Logo ao ler e ouvir, a leitura chamou-me a uma conversão permanente. Olhando-me um pouco mais no fundo, cheguei à conclusão de que, faz algum tempo eu até me sentia muito verdadeira, misericordiosa e a pensar que amava… mas na realidade… hoje… não sei se sou verdadeira, misericordiosa ou se amo, porque, quando faço asneiras, mesmo sem querer, eu não estou a amar…
Contudo, uma certeza eu tenho, é que estou a tentar entrar definitivamente na escola do perdão, da misericórdia, da coerência, da caridade e do Amor, para o que, muitas vezes, peço luz para o caminho.

terça-feira, 20 de julho de 2010

SÚPLICA


Senhor, que faço?
Eu vejo o que vejo e Tu vês tudo quanto se pode ver.
O que eu vejo muitas vezes é ilusão enquanto Tu vês sempre a realidade.
Quanto mais procuro encontrar a verdadeira razão das coisas mais distante me vejo dela.
Resta-me entrar cada vez mais profundamente no Teu mar para que a força emanada de Ti possa conduzir a um bom porto o leme do meu barco.

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Reflexão


NA CERTEZA DE ESTAR NOS ÚLTIMOS DIAS DA MINHA VIDA!

1 – Rezaria mais profundamente todas as orações diárias pré-estabelecidas por mim, para mim.

2 – Ordenaria, ornamentaria e limparia melhor todo o meu espaço, a minha casa, o meu jardim.

3 - Colocaria todas as minhas coisas pessoais, objectos de uso comum e trabalhos escritos, ordenados de modo que, na minha ausência, tudo fosse fácil de encontrar e de escolher mediante os gostos pessoais de cada um.

4 – Envidaria esforços para orientar todos os trabalhos pendentes para que a minha indolência não atrapalhasse a vida de ninguém – pessoas ou instituições.

5 – Tentaria acabar obras começadas ou começar obras sonhadas, de modo a conseguir a minha realização pessoal e a prestar à sociedade o meu melhor contributo.

6 – Prestaria uma atenção mais cuidada aos meus familiares e amigos, para averiguar a qualidade da minha relação com eles, a cordialidade, sinceridade, transparência, carinho, de modo a procurar manter com todos em geral e com cada um em especial relações de mais interesse, compreensão, solicitude, proximidade e afecto.

7 – Olharia mais atentamente em meu redor no sentido de ver se seria possível dar à sociedade, de qualquer forma, um pouco mais de mim.

8 – Viveria mais profundamente as alegrias de Deus e dos homens com exuberantes gestos de gratidão à Natureza.

9 - Tentaria ser mais corajosa no realizar das acções paradas pelos meus receios e medos.

10 – Esforçar-me-ia por viver cada vez mais a servir por amor para ser feliz amando.

Mas… eu não sei quando serão os últimos dias da minha vida! Então, porque não viver como se todos os dias fossem os últimos?!...
Vou tentar, é uma aposta que tenho de ganhar!

domingo, 18 de julho de 2010

POESIA NA VIDA


A vida tem alegria e tristeza
escuridão e luz
que umas vezes amargura
e outras nos seduz...
e na sua inquietude ou harmonia
terá que ser enamorada
e bem abraçada noite e dia...
para que possa, assim
ser transformada
em delicada e eterna poesia.

sábado, 17 de julho de 2010

Discreção


Fazer cartaz… dar nas vistas… nem sempre o é… mas pode ser gratuidade!
Então, decididamente, se queremos agradar mais a Deus do que aos homens, é urgente e imperioso que as nossas melhores acções sejam praticadas longe dos olhares indiscretos.

sexta-feira, 16 de julho de 2010

HORIZONTES DE VIDA


Uma vida sem horizontes
é como uma noite sem luar,
um céu sem estrelas,
um dia sem sol,
um jardim sem flores!...

Frente ao mar
escuto o bramir das ondas
e sinto o perfume forte e fresco da maresia...
mas na profunda escuridão
quando as estrelas não cintilam
nem os barcos se assinalam
nada consigo enxergar
mesmo sentindo-me
docemente
junto ao mar!

Não há vida sem horizontes…
mas os horizontes da vida
estão muitas vezes escondidos
nas nuvens mais densas
que não nos deixam antever
um único ponto de luz.

E tal como em noite tenebrosa e escura
junto ao mar
quem a si mesmo se quer maravilhar
tem que esperar o romper da alva aurora...
nos mais profundos momentos de sofrimento e dor
há que compreender e esperar
que a ansiada claridade dos “raios matutinos”
nos mostrem claramente e sem demora
o que temos e o que somos
e o que poderemos fazer no aqui e agora...
horizontes de vida...
o calmo e pachorrento romper de nova aurora!

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Magia!


Os sinos tocam meigamente as Avé-Marias enquanto a magia do órgão e das vozes ecoa pelo espaço! “Peregrinos” em “terra estrangeira” vão sonhando com o “Pai” e vibrando docemente com tão encantadoras melodias.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Caminhos


Junto ao mar
perdida
num mar de ignorância
que dia a dia
pulsa em mim,
uma coisa anseio
e firmemente creio
que irá acontecer:
Descobrir
nos momentos dos meus dias
o qual e quanto
será preciso fazer
para seguir
sem hesitar
os caminhos “traçados”
que deverei trilhar.

terça-feira, 13 de julho de 2010

Assembleia


Estar com um montão de gente pode não querer dizer que se está numa grande assembleia… porque uma grande assembleia não pode medir-se pelo número dos seus efectivos, mas pela carga afectiva e efectiva de amor e doação com que as pessoas se nos apresentem.

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Meditação!


Costumamos chamar piedosa uma pessoa que anda muito pelas igrejas e pratica muitos actos de piedade ou oração, mas muitas vezes esses actos, isolados do resto da vida, podem acabar por se tornar rotineiros e até demonstrar um certo “beatismo” torpe que não tem nada a ver com a verdadeira Piedade, dom de Deus que, tal como a Fé, nasce e vai crescendo no mais íntimo de cada coração.
A Piedade, no seu misterioso conjunto, vai muito além de todas as possíveis demonstrações exteriores e banais, porque a Piedade é, ou melhor, “tem de ser a expressão do Deus Amor na minha vida, tem de ser a forma como eu vivo mais ou menos intensamente o Amor de Deus em mim! É o como eu, em todos os meus momentos, me relaciono comigo mesma, com Deus e com o próximo, amando, antes de tudo, esta criatura de Deus que sou eu mesma querendo o melhor para mim que é o amar a Deus porque é Pai e Senhor e ao próximo que são as criaturas que Deus me apresenta como irmãos, com intensidades semelhantes, tal como o próprio Jesus nos ensinou… pois o próximo é a imagem de Deus junto de mim, e ‘quem diz amar a Deus que não vê e não ama o próximo que vê é mentiroso’.
Se Deus é Amor, Caminho, Verdade, Vida e Felicidade… o melhor para mim é o Amor - Deus. E é na medida em que eu praticar o amor, ou seja, na medida em que eu viver de Deus e com Deus, que eu vou conseguindo crescer como pessoa (que é o melhor para mim) – ‘Dai-me homens que vos darei cristãos.’
Então, para praticar o amor, terei que ir beber à fonte de onde jorra o Amor, mantendo com Deus um diálogo (oração) constante praticando actos de piedade, mas em paralelo procurando também obter um maior e mais profundo conhecimento de DEUS através do estudo e meditação da Sua Palavra, para, dessa forma, poder obter a força capaz de espalhar amor pelos homens com palavras e atitudes bem palpáveis nas minhas acções e vivências diárias.”
Fátima, é um lugar de Piedade por excelência, pois é um dos lugares mais favoráveis ao verdadeiro encontro do homem com Deus, e só com um verdadeiro encontro com Deus o homem ou a mulher, a pessoa, poderá levar uma vida de verdadeira Piedade, onde o amor desinteressado e altruísta esteja na génese de todo o seu modo de viver.
Não interessa parecer, é urgente ser, o mundo está cada vez mais cansado de aparências e mais carente de realidades!
A Palavra de Deus diz-nos claramente que virão muito do oriente e do ocidente e se sentarão à mesa do Reino e muitos próximos da mesa ficarão de fora, porque não basta andar pela igreja, é urgente ser IGREJA, vivendo da misericórdia de Deus e procurando encher a vida com a prática DESSA misericórdia junto de quem connosco convive.

domingo, 11 de julho de 2010

Eu… e a selva!


Na ânsia de viver... vou rodando pela estrada do tempo! Para sossegar a saudade aconchegante dos braços fortes do pai... do carinho e ternura da mãe... das carícias ternas das mãos... do alinho doce dos meus cabelos finos e escorridos… e fugir ao stress arrasante da vida apetece-me andar de marcha à ré… … mas não posso!
O meu corpo, cansado, não segura o doido “veículo” que é ele mesmo… que acaba por embater fortemente no rochedo da insatisfação e por deslizar na encosta da inquietude e desespero.
Aterrado... o meu olhar exausto, como por encanto, por entre o arvoredo da floresta recai sobre um sem número de animais que, pachorrentos e estupefactos, me fixam calma e atentamente.
Num relance... o meu coração bate apressado e descompassado lembrando o desatino de alguns homens e deleitando-se com o poder permanecer ali... sorvendo a doçura inconsciente daqueles bichinhos inofensivos.
Realmente… a sensatez da selva... envergonha a humanidade!...

sábado, 10 de julho de 2010

Desertos!...



São tantos os afazeres, os problemas, as amarguras e sofrimentos de quem me rodeia e que se fundem com os meus, que me sinto embaralhada e sem saber por onde enveredar. Não admira nada que TU, meu amigo de todos os segundos, no meio de tudo… e a ver tudo muito melhor do que eu… fugisses tantas vezes para o deserto… do mundo… pois fugir para o deserto silencioso é a única forma de nos encontrarmos com o oásis da vida, que buscamos ansiosos na confusão do mundo, inutilmente.

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Convite!



Hoje, nesta manhã, senti mais profundamente a voz de Alguém, assim, muito delicadamente, e eu resolvi partilhar!


Minha querida filha!

Ainda tu não tinhas sido formada no seio de tua mãe e Eu já pensava em ti, já te amava com todas as minhas imensas forças!
Acompanhei-te durante toda a tua vida, sentindo todas as tuas alegrias e tristezas, alegrei-me quando te vi alegre e fiquei triste quando te senti infeliz.
Há muito que penso em ti, em chamar-te para o meu serviço, em pedir-te para gostares muito de ti… mas sem exageros pois se te amares exageradamente a ti mesmo ficas egoísta e isso não é bom, pois impede-te de Me amares a Mim e às pessoas com quem convives como a mim, por Meu amor.
Esperei ansiosamente que chegasse o momento de te fazer ouvir a minha mensagem!
O momento chegou! Hoje resolvi, assim, convidar-te ao amor! Convidar-te a amar… amar sempre…
Eu sei que é muito difícil… mas Eu prometo estar sempre contigo, ao teu lado, em todos os momentos da tua vida, principalmente nos que te forem mais dolorosos, para te ajudar nas tuas fraquezas e preocupações!
Não desanimes! Ama! Ama sempre, porque, amando… poderás fazer tudo quanto quiseres!

Deste que quer que O reconheças como tua inseparável companhia… que sempre te amou… sempre te ama e se te entrega em todos os teus momentos sem peso nem medida… Deste que sempre te amará, como tu fores… e faças tu o que fizeres…

Jesus

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Encontrei-me...


Encontrei-me... buscando no silêncio do nada a energia capaz de prosseguir a escalada do dia. Agora, posso regressar ao meu desterro.

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Deleite


Depois de um período de dolorosa pressão, inunda-me uma réstia de ar fresco. Na paz tranquila do deleite suspiro a continuação da calmaria.

terça-feira, 6 de julho de 2010

Confusão...


“Ódio e amor caminham lado a lado. Dentro de cada homem travam uma luta constante”.
Que realidade incompreensível???!!!...
João, decide experimentar a confusão!
Odeia a injustiça social... e distribui os bens supérfluos e úteis aos outros; odeia a preguiça... e ganha mais dinheiro; odeia a ignorância... e estuda mais, documenta-se, abre caminho ao saber; odeia a calúnia, a insensatez, a indignidade, a indiferença, a pobreza material e humana, o próprio ódio... e intensifica o amor.
Passado algum tempo... pára, pensa, exclama:
- Valeu a pena! Sinto-me mais homem, mais pessoa, mais realizado e feliz. Afinal... esta confusão... é imprescindível à vida!

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Cruzar dois mundos


Cruzar dois mundos
é viver na cruz.
Casar dois mundos
é viver na dor.
Descobrir de dois mundos
o que em cada mundo
pode ser cruzado
é o trabalho mais difícil
que alguma vez
pode ser efectuado.
E quando num dos mundos
não há sinceridade
o outro mundo
esbarra na maldade
arrasante da ilusão
que faz em cada dia
partir em pedaços
a alma e o coração.

domingo, 4 de julho de 2010

ESTRANHA SENSAÇÃO


É mais uma tarde de sábado...
na Torreira junto à ria...
ninguém à espera
nenhum sítio aonde ir
nenhuma meta aonde chegar
nada a que me possa segurar
para me fazer sentir alguém
chorar cantar escutar
falar sorrir…

Resta-me
encher o olhar no horizonte
sentir o perfume da ria em minha fronte
ouvir o bramir das mágoas no canto da Natureza
a exalar formosura e beleza
nas gaivotas planando sobre as águas
no vento aflito que solta suas mágoas
nos calmos peixes vagueando em cardumes
colhendo amor vendendo azedumes
enquanto as traineiras pachorrentas
se acostam lá no cais
descansando das tormentas.

E lá na alta torre aonde o sino mora
alguém o faz chamar quem Deus adora.

E, quebrada a indolência e a preguiça
há que fazer-se à estrada
e ir à Missa!...

sábado, 3 de julho de 2010

Humanizemo-nos!


Humanizemo-nos!
Nascemos para o amor!
Seja qual for o credo que professemos ou mesmo não professando credo algum, se formos verdadeiramente Homens/Mulheres, seres humanos completos, viveremos no amor de Deus, com Deus e para Deus.

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Esta noite


Esta noite foi muito especial.
Reuniram-se inúmeros amigos
à volta de um mesmo amigo
que nos une a todos
de uma forma especial e misteriosa.

Foi tão lindo,
tão profundo e tão bom,
que encheu o peito,
a alma e o coração!

Ouvi a voz dos anjos ao meu lado
e entoamos assombrosas melodias,
entre meigos sorrisos e doces alegrias.

No pequeno templo…
da magnitude da beleza requintada
desprendi os meus olhares
da esbelta talha dourada
para me prender nos encantos
das imagens exibidas, daqueles santos
que tal como eu, em tempos idos,
galgaram montes, estradas e caminhos
para das rosas retirar duros espinhos
e fazer do mundo um jardim belo e florido
onde o amor e o perdão tenham sentido.

E lá… numa minúscula casinha
escondido
deixamos o amiguinho
muito querido…
amiguinho que ali ficou e saiu com todos nós
pedindo-nos as mãos, os pés, o corpo, a voz
e ofertando a cada um harmonia e paz
companhia, misericórdia, redenção,
a felicidade do amor e do perdão.

quinta-feira, 1 de julho de 2010

O que é a bola???!!!...


Sou bola quase redonda,
Mas não sirvo p'ra jogar,
Vivo debaixo dos pés,
A minha vida é rodar!

Como bola... não me vês!...
Nem sentes que estou rolando!
Tua vida vais passando,
Acredita, podes crer!...
A correr ou a saltar
Pulando em mim, sem parar,
Sempre... Sempre... até morrer!

E nesse ponto final,
Pouco mais podem fazer,
Do que esburacar a bola
Para nela te esconder.

E se puseres a cabecinha
A bem pensar…
O quem eu sou
Será bem fácil decifrar...