Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Cruzar dois mundos


Cruzar dois mundos
é viver na cruz.
Casar dois mundos
é viver na dor.
Descobrir de dois mundos
o que em cada mundo
pode ser cruzado
é o trabalho mais difícil
que alguma vez
pode ser efectuado.
E quando num dos mundos
não há sinceridade
o outro mundo
esbarra na maldade
arrasante da ilusão
que faz em cada dia
partir em pedaços
a alma e o coração.

1 comentário:

Vieira Calado disse...

Pois... amiga...

Geralmente quando há dois mundos

eles são antagónicos.


Beijinhosss