Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

sexta-feira, 30 de julho de 2010

CULTOS!


Cada vez me convenço mais que o homem/mulher, na realidade, são seres muito estranhos e diferentes, mas de modo a se completarem mutuamente.
Quando, por volta das onze horas, estou só em casa e vagueando pela cozinha nos afazeres domésticos, costumo ligar a TV para acompanhar a celebração da Eucaristia, que, normalmente, é transmitida do Santuário de Fátima.
Ao ligar a TV chamou-me à atenção o programa que estava a dar, não sei em que estação, era o top das mulheres mais magras e charmosas, para o que havia fotos e comentários sérios e concisos, muito bem orientados.
Fiquei perplexa!
Claro que é por demais evidente que temos de olhar muto bem pelo nosso corpo, é um dever, é ele que nos representa, é com ele que fazemos tudo e nos apresentamos tal qual somos, ele é o nosso Bilhete de Identidade social, e nisso acho que todos estamos de acordo, temos de estar, é imperioso. Mas, este comportamento, sendo parte integrante do nosso ser pessoas, não pode absorver-nos demasiado, pois pela lei da vida, irremediavelmente envelhece, e perde qualidades até perder o sopro de vida que o anima, para voltar à terra, onde todo o ser perecível acaba.
Tantos cuidados com o corpo que um dia desaparece, leva a que tenhamos muito mais cuidado com o espírito que o anima e é eterno.
Dai-me homens/ mulheres/ pessoas que vos darei cristãos.
Desprendamo-nos dos cultos que frustram para dar maior atenção e cuidado ao amor verdadeiro que nos irmana e enobrece.

2 comentários:

Tia disse...

Belíssimo post, este... com uma grande mensagem para quem vive na ilusão do eterno culto do corpo.
Beijinho

Poemas Novos disse...

Concordo, muito bem escrito como sempre...

Parabéns.

Poemas Novos.