Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

terça-feira, 20 de julho de 2010

SÚPLICA


Senhor, que faço?
Eu vejo o que vejo e Tu vês tudo quanto se pode ver.
O que eu vejo muitas vezes é ilusão enquanto Tu vês sempre a realidade.
Quanto mais procuro encontrar a verdadeira razão das coisas mais distante me vejo dela.
Resta-me entrar cada vez mais profundamente no Teu mar para que a força emanada de Ti possa conduzir a um bom porto o leme do meu barco.

Sem comentários: