Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

A MULTIDÃO… FAZ A FESTA!


No mar ou na montanha, no vale ou na serra, por entre o casario ou sob a luz esbatida da frondosa ramaria das árvores e dos jardins, de noite ou de dia, a multidão faz a festa.
Os mais díspares sons melodiosos que enchem os ouvidos, numa época em que de tudo se faz música, podem ser… mas nem sempre são festa; os diversificados estalidos dos foguetes também podem ser… mas nem sempre são festa; os mais variados parques de diversões, são sempre festa, mas podem não representar a vivência de uma verdadeira festa; até mesmo as mais maravilhosas lágrimas dos foguetes que são sempre festa, podem ser utilizadas para comemorar algo que não seja verdadeira festa; os vendedores ambulantes e as barracas de doces, bebidas e petiscos, podem ser ou não ser parte de uma festa.
Contudo… onde houver uma grande multidão, é sempre festa… e será maior ou menor festa conforme o maior ou menor afluxo da multidão.
Temos a festa do Santo da aldeia, da vila ou da cidade; a festa do Porto, do Benfica, do Sporting, da Selecção Nacional, dos mais variados grupos de futebol ou outros desportos competitivos ou não; há a festa da cerveja, das flores, da sardinha, do vinho, do bacalhau, da castanha… sei lá o que mais! Há a festa da gastronomia, com petiscos e bebericos; a festa dos casamentos, baptizados, comunhões; os festivais da dança e do folclore, da rádio e da televisão!... Será que algum dia poderemos enumerar tudo aquilo a que podemos chamar festa? Duvido muito.
Em tudo isto… pode haver festa sem foguetes, sem música, sem santo, sem futebol, sem comes e bebes, sem compras ou vendas, sem parques de diversões… mas sem multidão, não há festa.
O “ser humano”, expressão singular, são inúmeras pessoas. Umas sonham com cantar e assobiar; outras… com comer e beber; outras, com correr mundo… passear; outras, com ler, escrever, contar; outras, com atropelar tudo e todos para conseguir amontoar riquezas; outros sonham com trabalhar para sobreviver; outros, para descobrir algo mais que ainda permanece insensível aos sentidos, inaudível aos ouvidos, e invisível aos olhos.
Todos, sem excepção, das mais diferentes formas e nas mais variadas situações, lá no íntimo mais íntimo do seu ser, buscam a felicidade… a maior parte das vezes fora de si… onde não é possível encontrá-la.
O “ser humano” foi considerado pelo Criador rei e senhor de todos os outros seres. Então, o “ser humano”, que é vida, pela guarda e vigilância de todos os demais seres vivos, é também o senhor da vida, e porque é multidão, tem, irremediavelmente, que ser festa. Alegres ou tristes, com realização pessoal ou sem ela, ricos ou pobres, letrados ou analfabetos, insensatos ou inteligentes… somos multidão, e multidão é sempre festa. Mas não uma festa qualquer, mas uma festa em que cada um tem a obrigação de dar o seu melhor para o bem de todos com coragem, abnegação, tolerância e paciência… que… ao fim e ao cabo… se traduz na palavra AMOR.
Para que, na sociedade humana, a vida seja, realmente, uma festa, pensando na maravilhosa mensagem de Santo Agostinho, com tudo o que nos possa estar ou vir a acontecer, esforcemo-nos sempre por amar, pois se conseguirmos amar de verdade, poderemos fazer o que quisermos, e a vida será, então, uma permanente festa.
2010/08/23 – 22.37H

Sem comentários: