Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Portugal a arder!

Há lume e fumo espalhado um pouco por toda a parte. Em muitas localidades é quase asfixiante.
Claro que Portugal não está a arder, mas boa parte das nossas florestas… os nossos pulmões… já foi consumida pelas chamas, uma boa parte vai sendo consumida e não sabemos o que irá restar desta onda gigantesca de vandalismo humano.
Que não me venham com parvoíces! Isto já não se pode chamar descuido ou eventualidade, mas mãos criminosas sem consciência nem razão, que dão cabo da Natureza e põem em risco o ecossistema todo.
Bombeiros, helicópteros, aviões… deviam ser para acudir a fogos extemporâneos, e não a ondas de vandalismos.
É muito doloroso ver pessoas aflitas com haveres perdidos, jovens a perder a vida, outros a gastar o tempo de uma forma horrorosa e horripilante perdidos por essas matas transformadas em infernos vivos, helicópteros e aviões a sobrevoar o espaço, gastos desnecessários num país à beira do caos económico… em que muitos já passam fome e perdem as suas casas por falta de pagamento atempado nas instituições bancárias onde pediram o dinheiro… enquanto outros compram as habitações mais caras com dinheiro vivo!...
Pensando bem… quem irá ficar mais rico com tantos incêndios? Haja alguém que faça alguma coisa. Que se unam polícias e particulares na defesa da vida, porque floresta é vida.
A união faz a força.
Onde está a justiça? Onde está a moral? Onde está o amor ao próximo? Onde estão os princípios cristãos por que dizem que a nossa sociedade portuguesa ainda se rege?
Se alguém conseguir compreender, que me diga em que mundo temos os nossos filhos e netos… que tipo de valores lhes damos… como irão enfrentar tanta deslealdade, imoralidade, arrogância, covardia… e acima de tudo negativismo… um negativismo exagerado que nada mais faz do que ensinar as pessoas a fazer asneiras.
No meio de tantas atrocidades, há muito boas pessoas.
Por que será que tanta gente gasta tempo e conhecimento a correr atrás desses marotos que põem em risco tanta vida natural e humana… para os encontrar e dizer que estão bêbados… ou sei lá o quê… para, em vez de os meter inteirinhos na prisão os deixarem à solta para incendiarem mais, e não mostra à sociedade, pelo menos do mesmo modo, tantas actividades e iniciativas feitas por verdadeiros heróis no silêncio de seu dia a dia para o bem social?
Que fazem as comunicações sociais e que tipo de leitores temos que só se interessam por desgraças?
Não faz sentido!!!

2 comentários:

Gilbamar disse...

É uma pena que bandidos ambiciosos cometam tais barbaridades com o único intuito de se locupletar com o sofrimento alheio. Será que eles não respiram? Eu e minha esposa estivemos em Portugal em maio de 2009 e sabemos o quanto representa para um país as suas matas.

Parabéns por seu texto bem escrito e corajoso.

Abraços poéticos de Gilbamar.

Thayna Dreams disse...

é verdade! Muito bom o texto!