Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Rodando por aí!...


Rodando por aí!... Estou perdida neste pontinho de Portugal - Vilar de Perdizes!
O dia foi passado entre Bragança e aqui, algures, num local aprazível, calmo e belíssimo completamente escondido no arvoredo.
Ali, num vaivém constante, há pessoas ávidas de pagar promessas ao Santo e encher garrafas e garrafões com a água milagrosa, límpida e fresca que corre apressada e majestosa no antiquíssimo fontenário.
No enormíssimo parque de lazer as duas igrejas, bem pequenas, em honra de São Caetano. Uma delas, a menor, é apelidada de “Capela dos Milagres”, tantas são as figuras de cera, de todos os tamanhos e formas, que ao lado se encontram arrecadadas em local próprio.
Ainda na minúscula capela um balde preto dá de beber aos muitos ramos de cravos que os crentes vão oferecendo.
Na igreja maior, a “sentinela” do sacrário estava apagada. Quis acendê-la, mas parecia-me que da pequena casinha não emanavam as habituais vibrações incomparáveis e abrasadoras do Hóspede Divino. E não me tinha enganado!
Esperamos pela Celebração das 18 horas: novena e Eucaristia em honra do Santo. Então, tivemos a confirmação de que o sacrário estava, realmente, vazio.
Por curtos mas muito bons momentos, o Senhor dos senhores fez-se presente e encheu o local com todos os esplendores da Sua Graça. Muitos DELE se alimentaram… e o local ficou novamente deserto!
Mais umas rodadas pelo monte, e eis-nos, chegados aqui.
O Sol já se escondeu, eu não sei bem por onde!
Depois da sopa de pedra, sob a vigilância das estrelas, fomos descobrir novidades. Bem giras!
É muito bom vaguear pelo mundo… mas… sem uma boa bússola… talvez não tanto assim!
A aventura destes dias está a ser muito gratificante, pelos mimos e certezas, palpáveis, ou apenas sensíveis e por isso mais entusiasmantes, sem palavras para definição.
2010/08/03 – 22.57h

2 comentários:

Vieira Calado disse...

E ainda há perdizes, por aí?

Desejo-lhe boas férias.

Beijoca

Hermínia Nadais disse...

Amigo, obrigada!
Não! Eu não vi nenhuma perdiz, além da enorme de pedra na entrada da aldeia. Talvez estejam resguardadas do calor, algures... quem sabe?
Abraço,