Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

A maior ignorância


A nossa maior ignorância é julgarmo-nos detentores de muito saber.

2 comentários:

Letícia G. Cruz disse...

Ola Dona Herminia,estou lhe indicando com seu Blog, para receber o Prêmio Dardos,sea senhora gostou de receber o selo ele estará a sua disposição lá no meu espaço, com muito carinho..

João Esteves disse...

Interessante esta reflexão. Concordo. Gostaria de acrescentar que considero tudo o que é meu, como humano e mortal que sou, finito como eu, limitado como eu. Assim, meu conhecimento pode ser visto como a soma de umas tantas unidades de coisas aprendidas, necessariamente finitas. Já o que ultrapassa os limites do meu conhecimento não tem fim. Se temos conhecimentos diferenciados, temos ignorâncias igualadas, todas esencialmente infinitas.