Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Eu… e ELE!...

Se me olho só – tenho medo,
medo, medo.
Mas ainda que esteja só,
desolada,
nas noites mais escuras e frias…
eu sei que Deus está comigo!
E quando aos olhos do mundo
parece que confio em mim…
é puro engano! Eu… pessoalmente,
não confio em mim, confio nEle.
Cada vez mais
quando eu sou… vou escrever
pensar brincar
ou trabalhar a fazer seja o que for
sou… escrevo ou faço o que ELE
do SEU modo muito especial
me diz para ser ou p’ra fazer.
Poderá ser impossível de se crer…
mas é, na realidade,
a minha actual forma de viver…
com avanços e recuos
pois afinal
a vida é mesmo assim
um sobe e desce constante
que nos vai fortalecendo
a mente e o coração
a cada instante!

sábado, 15 de janeiro de 2011

DE MIM… PARA MIM!...


Se queres a descoberta da existência equilibrada
na economia ritmada de esforço e tempo,
então:

em cada bom ou mau momento mantém a serenidade
a calma e a concentração
na busca do equilíbrio emocional com dedicação.

procura determinar um lugar certo
para todas as coisas (fora e dentro do coração)
para sempre puderes arrumar
cada coisa no seu devido lugar
e na necessidade rapidamente
as poder encontrar
e usar devidamente.

aprende a sorrir brandamente
quando o coração transborda de alegria,
e calorosamente
quando sentires no íntimo do coração
a horrorosa dor de uma noite escura
tempestuosa e fria.

palpa o terreno humano antes
de lhe abrir qualquer porta do coração
para evitar o desencanto amargo
de uma má interpretação.

extrai da voz ardente do silêncio
a verdadeira palavra para dizer
o verdadeiro caminho para trilhar
e a força necessária para desencadear
toda a acção que tiveres de fazer
da melhor forma que puderes realizar.

e o que tiveres de fazer não deixes para o “logo”
porque o “logo” pode nunca acontecer.

sai do teu ninho
ao encontro de quem necessitar
do teu amor do teu empenho do teu ser completo
com todo o teu querer o teu saber
o teu carinho.

entra dentro de ti constantemente
para tirares da rocha do teu ser
todo o potencial ali guardado desde sempre.

mas nesta enorme caminhada
que se chama vida
tu terás que te sentir sempre habitada
pelo mais terno amor do Pai Comum
que nos irmana a todos nesta imensa lida.

E
se o saber fosse… realmente… o conseguir…
tu poderias levar… para sempre… a vida a rir.

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

(IN)COMPREENSÃO


Busco a vida
no rodar lento da noite
esperando que a aurora me seduza
a penetrar nos raios escarpados da luz
que os meus olhos embaciados
ainda não conseguem enxergar.

Vivo no rasto do tempo atarefado
nas lutas obscurecidas
pelos esconderijos que anelo
ao encobrimento dos raios esplendorosos
que as paredes do coração abafam
solenemente num desmedido e contido esforço
de lágrimas sufocadas e secas
no fogo concertante da (in)compreensão
que antevê a construção gigantesca do ser
extraído docemente do nada… eu.

domingo, 9 de janeiro de 2011

Fantasias

Quando o coração consegue matar a saudade
que o rói
a alegria preenche a vida
e até o sono se desfaz
na quietude da paz serena do encontro
e dos sorrisos velados
dormindo no fundo do peito.

Uma doçura terna que transborda do ser
voa nas asas do sonho segredando ao vento que
encha de mimo as entranhas do outro coração de oiro sofrido
que foge de si na quietude dolorosa do tempo
riqueza e beleza difíceis de encontrar.

A triste paisagem invernal
transforma as alas da esperança
aconchego e calor
em formosas flores primaveris.


2011/01