Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

sábado, 5 de fevereiro de 2011

TRAINEIRA

Traineira que andas perdida
sem saber onde parar
deixa que a calma do mar
te dê a paz que procuras.

Flutuas nas águas brandas
perdida na imensidão
de um mar que não tem fim.

Faz jus à voz do silêncio
e na abafada solidão
dá graças a Deus por mim.

7 comentários:

Betty Gaeta disse...

Oi Hermínia,
Que poema lindo! Adorei!
Bjkas e uma ótima 3ª-feira para vc.

http://gostodistonew.blogspot.com/

Faça a Diferença !!! disse...

Hermínia,

Mais um lindo poema, que a traineira sempre encontre mares calmos.

Rafael Castellar das Neves disse...

Me senti a traineira agora...muito bom, Hermínia!!

Abraço...

Maria disse...

Que poema lindo querida amiga.
Tenha um maravilhoso Fim-de-semana.
Beijinhos
Maria

Maria disse...

Querida amiga lindo poema, que a sua traineira chegue até para além do horizonte sempre com o vento a favor mas com mar tranquilo.
Tenha uma excelente semana.
Beijinhos
Maria

Poemas Novos disse...

Sou suspeito para comentar... Sou fã e admirador. A cada texto seu eu aprendo um pouco mais da vida e sobre como escrever os sentimentos.

PARABÉNS!!!

Tia [Zen] disse...

Que essa traineira nos leva sempre a bom porto...
Bj