Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

QUEM É JESUS? COMO SABE?

Hoje é um dia muito especial para a Família Vicentina, o dia de São Vicente de Paulo!
Passei o dia a pensar neste Santo da Caridade e na acção apostólica dos Vicentinos, seus protegidos!
Normalmente ligamos a palavra “Caridade” ao acto de ajudar quem precisa de algo material, mas a Caridade é muito mais do que isso, Caridade é Amor, e o Amor é tudo quanto de bom se possa imaginar!
Se formos ao dicionário ver as inúmeras palavras que significam o termo “Caridade” poderemos verificar que todas elas são belíssimas expressões de AMOR.
O AMOR/CARIDADE é tudo quanto se faz de bem na vida, para nós e para os outros. Para nós porque, antes de tudo, temos de gostar muito de nós para conseguirmos gostar a sério de quem nos rodeia. Não aquele gostar doentio e egocêntrico, mas o gostar de si mesmo como uma obra-prima única e irrepetível que Deus criou com todo o carinho e ama desmedidamente.
Gosto muito de meditar no Amor, porque Deus é Amor, e onde houver Amor habita Deus! E é com muito amor que hoje quero responder a estas duas questões que alguém me colocou: 
 “Quem é Jesus? Como sabe?”
A resposta a esta questão, se por um lado é fácil, por outro, a meu ver, verbalmente, é de todo impossível!
Eu sei que Jesus é um HOMEM incomparável que nasceu como qualquer outro homem há sensivelmente 2000 anos, numa terra específica, Belém, e no meio de um povo específico, o povo judeu, e que, depois de algumas divagações, se fixou em Nazaré da Galileia.
Sei que a vida DESSE HOMEM, no Seu início, teve alguns acontecimentos estranhos, que depois foi muito simples e discreta até aos 30 anos, e que a partir daí se tornou no maior exemplo que algum dia se viu.
Jesus era um homem de uma profundidade e compreensão sem par, amigo, atento, íntegro, coerente, forte, que enfrentava os opositores sem medo e os tratava com toda a firmeza, mas com a maior delicadeza, amor e carinho!
Pregou o Amor a Deus e ao próximo com as Palavras mais ardentes acompanhadas dos mais deslumbrantes e sublimes gestos. Numa época em que tudo se regia pelo poder do mais forte, defendeu acerrimamente os pobres e desprotegidos, os órfãos e as viúvas, os que eram desprezados por serem considerados pecadores, e as mulheres de má vida…
Como queria que as pessoas pensassem como ELE, formou um grupo de homens com quem conviveu e partilhou mais intimamente o conhecimento e a vida.
Empunhando a arma do AMOR promoveu a maior das guerras, a guerra contra o ódio, a opressão e o desatino, guerra que cada pessoa deve fazer, antes de tudo, sobre si mesma.
Os ideais de Jesus, contrários aos dos grandes da época (e de sempre) fizeram com que fosse movida uma enorme acção contra ELE, que, sendo a bondade suprema, acabou por ser condenado ao maior dos suplícios, a morte na Cruz, de onde, pregado e a morrer, pediu ao PAI perdão para os que o tinham mandado matar… “porque”… dizia… “Não sabem o que fazem!...”
Depois da Sua morte é que tudo começou, pois os Seus seguidores, espalhados pelas mais diversas comunidades, foram proclamando alto e bom som o que ELE dizia e vivendo como ELE vivia… pelo que começaram a ser seguidos tal qual ELE foi… e, juntamente com as comunidades formadas foram registando tudo quanto tinham visto e ouvido e as suas vivências comunitárias da doutrina que professavam.

 A Bíblia Sagrada, nomeadamente o Novo Testamento, ensinou-me esta parte de  Jesus, a que eu conheço. Mas… ESTE Jesus não acaba aqui… e é a partir daqui que não há palavras que consigam dar a explicação.
A Doutrina que ELE nos deixou é, toda ela, uma completíssima norma, incompreensível para quem não a vive minimamente. Os pensamentos expressos nas Palavras e vida de Jesus são expressamente contrários aos quereres da enormíssima maioria dos homens.
ELE, Jesus, diz-se Caminho, Verdade e Vida! Diz-se presente a cada pessoa e circunstância! Diz-se alimento que se nos apresenta sob a forma de Palavra, Pão e Vinho! Onde poderá haver um ser simplesmente humano, que, sem a ajuda de algo superior e transcendente, possa compreender semelhantes coisas???!!!...
Isto não tem resposta, meu amigo… ou minha amiga!... Eu não sei responder! Eu… muito simplesmente… vivo… e posso afirmar que, se nós quisermos e nos predispusermos a seguir ESSE JESUS CRISTO, algo de sobrenatural mexe connosco e faz de nós, se o deixarmos, o que muito bem entende!
Que ninguém me pergunte como, porque não sei. O Jesus histórico levou-me até ESTE JESUS que busco todos os dias sem saber muito bem como nem porquê!
Que ELE existe, que ELE está, que ELE é sensível ao coração e vida em todas as circunstâncias alegres ou difíceis, que a Palavra e o Pão alimentam, que compreendo e aceito muito melhor as minhas dificuldades e as de quem comigo convive, que me preocupo com a felicidade e bem-estar dos outros, que tenho momentos de felicidade tão suprema que não consigo mais viver sem buscar e partilhar constantemente o AMOR DESTE JESUS, é a maior das verdades!
Nunca saberemos o sabor de um fruto, se o não provarmos! Eu… provei!...

6 comentários:

Anónimo disse...

"Onde poderá haver um ser simplesmente humano, que, sem a ajuda de algo superior e transcendente, possa compreender semelhantes coisas???!!!...
Isto não tem resposta, meu amigo… ou minha amiga!... Eu não sei responder!"

Fico feliz que se sinta bem com essa imagem que tem de Jesus.

Infelizmente, pergunto quanto dinheiro já deu por Jesus, a alguns poucos que se dizem representates dele?

Não acha estranho saber dizer tanto sobre Jesus e depois não saber dizer algo tão simples como compreender coisas.

Diria que alguém lhe andou a colocar palavras na boca, lamento.

Se diz que lhe é superior a si. Acredito. Mas simples homens não passa de questões normais, complexas que se dividem em coisas muito simples.

Transcendente para si. Também acredito. Para simples homens não há transcendente, há perguntas e caminhos a percorrer para chegar ao conhecimento do que se quer saber ou fazer.

Acredita em astrologia? Porquê?

Diz para lêr a bíblia... eu li.
Como é que deus é vingança?
Basta ler: Naum.

Agora diz que deus é amor porque os romanos tem poucos seguidores e o seu poder está ferido. Quando os romanos tinham o reino nas suas mãos deus era vingança com muito pouco amor.

Não acha discriminatório que na missa seja só o padre beber o sangue de cristo e só alguns terem direito ao corpo de cristo. Se é uma celebração a relembrar a última ceia não acha estranho?

É que eu em casa não bebo vinho sem oferecer e partinho a refeição mesmo com pobres almas que consideram que o conhecimento humano e da natureza lhes é transcendente.

Não queira aprisionar os outros nessa ilusão que a torna dependente de um falso representante. Eu faço o mesmo pelo próximo sem deus, sem jesus, com amor/amizade, com amor/caridade e deixo o amor/paixão muito reservado.

A pedófilia na igreja parece que não deixa o amor/paixão no local certo...

Cumprimentos,

Anónimo disse...

Olhemos para o que Jesus terá dito:

Lucas 15, 11-32:

«Disse ainda: «Um homem tinha dois filhos. O mais novo disse ao pai: ‘Pai, dá-me a parte dos bens que me corresponde.’ E o pai repartiu os bens entre os dois. Poucos dias depois, o filho mais novo, juntando tudo, partiu para uma terra longínqua e por lá esbanjou tudo quanto possuía, numa vida desregrada. Depois de gastar tudo, houve grande fome nesse país e ele começou a passar privações.

«Então, foi colocar-se ao serviço de um dos habitantes daquela terra, o qual o mandou para os seus campos guardar porcos. Bem desejava ele encher o estômago com as alfarrobas que os porcos comiam, mas ninguém lhas dava.

«E, caindo em si, disse: ‘Quantos jornaleiros de meu pai têm pão em abundância, e eu aqui a morrer de fome! Levantar-me-ei, irei ter com meu pai e vou dizer-lhe: Pai, pequei contra o Céu e contra ti; já não sou digno de ser chamado teu filho; trata-me como um dos teus jornaleiros.’ E, levantando-se, foi ter com o pai.

Quando ainda estava longe, o pai viu-o e, enchendo-se de compaixão, correu a lançar-se-lhe ao pescoço e cobriu-o de beijos. O filho disse-lhe: ‘Pai, pequei contra o Céu e contra ti; já não mereço ser chamado teu filho.’

«Mas o pai disse aos seus servos: ‘Trazei depressa a melhor túnica e vesti-lha; dai-lhe um anel para o dedo e sandálias para os pés. Trazei o vitelo gordo e matai-o; vamos fazer um banquete e alegrar-nos, porque este meu filho estava morto e reviveu, estava perdido e foi encontrado.’ E a festa principiou.»

É esta a imagem de jesus?
A a ideia de "cunha" para familiares?

Qual a moral de dar a um ser humano a melhor túnica (Soberba) e anel (sinal de cidadania e independência financeira na altura) e o vitelo gordo (Gula), quando não merece ser tratado melhor do que os pobres que pedem caridade?

É que não é receber o filho com amor/caridade e amor/amizade. É a falta de moral por receber o filho com soberba e gula. É a falta de moral por dar mais a alguém que pediu "a herança" e depois recebe outra. Os outros filhos o que pensarão? É esta a moral de jesus?

cumprimentos,

Hermínia Nadais disse...

Amiga, deduzo que seja amiga!
Muito obrigada pelas suas interpelações. Quando coloquei a postagem no blogue tinha consciência de que era realmente muito forte e incompreensível para muitos, mas ainda que passe por alienada e escandalize seja quem for, ou sou sincera ou não valho nada.
Ninguém me põe palavras na boca, e nunca paguei nada a nenhum representante de Jesus como refere.
Sou como sou e o que sou... e por muito que diga, nunca por nunca poderei exprimir por palavras o quanto esse Jesus que eu busco incessantemente tem feito na minha vida.
já agora, se der uma voltinha pelos meus blogues verá que não costumo dar resposta a comentários!... Abri esta excepção para si, para lhe dizer que achei deveras importante o que me disse, e que não consigo dar resposta de uma só vez. Mas vou responder a todas as suas questões, lentamente, em postagens seguintes, que alternarei com outros trabalhos que não quero deixar de colocar no blogue.
Pelas acções que diz praticar... deve ser muito boa pessoa.
Mais uma vez, obrigada pela visita e pelo maravilhoso comentário, e volte sempre!
Felicidades!

Anónimo disse...

Nunca pagou por uma missa para dizer um nome?
Nunca deu dinheiro a um santo do pau oco?
Nunca deu moeda ou nota na missa?
Parabéns.
Tenho alguma dificuldade em acreditar, mas parabéns.

Hermínia Nadais disse...

Não sou demasiado apegada ao dinheiro,mas não jogo dinheiro fora!

-A Missa não se paga, ELa é tão grande que não tem preço!
-A "imagem" do santo é o que está no altar, e essa, a imagem, é, realmente, de pau oco ou outra coisa qualquer!
-A moeda ou nota na Missa (Eucaristia)... que dá quem quer ou entende... tem muito que se diga a seu respeito...

A vida é uma caminhada em que devemos crescer constantemente, a todos os níveis...
Revejo grande parte do meu passado nas interpelações que me faz e que eu estimo por demais!
A partir delas, logo que a minha disponibilidade o permita, darei uma explicação cuidada, concreta e precisa a tudo quanto me questiona ou a outras questões que me colocar. E não incomodar ninguém para o fazer, pois não ando mandada nem governada por ninguém, a não ser por ESSE Jesus que, quando nos colocamos plenamente ao SEU serviço, nos desinstala de tal forma e é tão impertinente connosco que não nos deixa sossegar.
Não deixa... pois não? É por isso, por ELE, que me põe tantas questões.
Muito obrigada!
Felicidades

Anónimo disse...

Será que Jesus é diferente de Jacob, será que e diferente de Javé?

Será que o sucesso do mito de Jesus tem origem na degradação dos romanos?

Quem foi Calígula?
O que fez Constantino?
O que aconteceu em Niceia?
Niceia é Jesus ou Roma?
Onde é que Jesus disse que só há um baptismo?

Cumprimentos,