Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

SONHANDO


Não sei que vai sair, mas bem entendo
Que estou só, desolada e à espera,
Perdi meu tempo mas não perdi a guerra
E o muito que passei, sentida, lembro.

Mudar de rumo é o que eu pretendo
Para não lembrar mais o que antes era...
Para pensar que foi uma quimera
Viver o que vivi e estou esquecendo.

Óh! Tempo, traz para mim algo de novo
Porque meu sonho o vento o esvaiu
E não sonhar é morte certa e dura.

O meu castelo de areia já ruiu
E na floresta do mundo vejo o lobo
Que esfomeado e feroz já me procura.

2 comentários:

Anónimo disse...

O lobo esfomeado e feroz sempre a procurou.
Desde o nascimento com o baptizado.
Todas as semanas de forma a aprisionar a mente e a visão do mundo.

O paraíso é aqui, junto dos seus.
Depois é um sono repousante, calmo e eterno.

A alma fica cá, junto dos seus.
Depois são as suas sementes que germinam e continuam com a memória e alma.

Escreveu na areia? Já ruiu.
Escreveu no papel? Já queimou.
Escreveu no coração? Já marcou.

deus? Só os que pensam que são... os deuses da rua deles.
Satanás? Há muitos. Mas é com opiniões opostas que cresço e aprendo que o que pensava certo afinal está errado. Com a morte ficam as memórias dos dois lados. Com a morte há lugar para o novo. Com a morte tenho direito ao descanço.

Iana disse...

Ola minha doce amiga...

Desculpe pela demora da visita, mas a rosa amiga andava meio sem tempo...

Amo cada vez que vai até nosso jardim regar nossas flores perfumadas com o teu carinho! A Rosa amiga agradece de coração embora ande tão ausente...

O poema é lindissimo e delicioso de ler...

deixo cá beijos com enorme carinho da Rosa amiga

Iana!

PS: Quando puder da uma passadinha no novo espaço da Rosa amiga

http://tauagemnomeuolhar.blogspot.com