Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

ENTRAI PELA PORTA ESTREITA


“Porta Estreita”… “Estrada Larga”! Todas estas expressões são vistas por cada um de nós tal como as entendemos na nossa vida real.
Uma porta estreita, ou via estreito, é sempre de difícil caminhar em relação às estradas largas. Com estas expressões Jesus Cristo queria dizer-nos que o caminho da salvação é de difícil acesso. Mas nunca compreendi muito bem o alcance destas palavras. Finalmente, chegou-me uma explicação muito convincente da “Porta Estreita”.
Jesus Cristo era, sem dúvida, o maior em conhecimento global de todas as coisas do seu meio envolvente e da forma como atingir a compreensão do fundamental nos corações humanos. Ora, a Porta Estreita, existia nas muralhas das cidades para salvaguardar os seus habitantes de guerras e espoliações, porque por essa “Porta Estreita”só podiam entrar as pessoas sem armaduras metálicas, espadas ou flechas. Guerreiros armados nunca poderiam entrar por ali.
Ao apresentar estas expressões, Jesus queria dizer-nos que, para uma eternidade feliz, temos de entrar pela “Porta Estreita” libertando-nos, aos pouquinhos, das nossas armaduras naturais de orgulho, ódio, vingança, egocentrismo, tirania, egoísmo, prepotência…
Que a força par o conseguir sempre esteja connosco!

Hermínia Nadais

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Por onde andam os valores humanos!



A época natalícia está no seu termo!
O Ano Novo começou recheado de sonhos e desejos de mudança.
O mundo fala-nos de problemas e aflições, mas não nos podemos confundir com nada do que nos possam dizer, temos, sim, de averiguar e por em acção todas as nossas possibilidades!
Nunca ninguém nos disse que a vida seria fácil, assim como também nunca ninguém nos disse que estaríamos sós nas lutas da vida!
O mundo, esta habitação enorme onde vivemos, tem tudo quanto necessitamos a uma vida condigna!
Quando falamos em dificuldades vemos de imediato as necessidades temporais, o comer, beber e vestir… e conviver para não morrer de tédio. Cada qual tem que ir aprendendo a viver com o que tem, ou melhor dizendo, a não esbanjar tanto em coisas desnecessárias.
“O mais importante é invisível aos olhos”! As enormíssimas dificuldades económicas que afligem os homens e mulheres prendem-se acima de tudo com a falta de valores humanos que actualmente existe!
Urge aprender a olhar-nos interiormente  de modo a termos o discernimento capaz de separar o bem do mal e de enveredarmos pelo caminho do bem, que é o viver a pensar nas pessoas que nos rodeiam numa atitude de amor e ajuda mútua.
As riquezas exageradas e pobrezas extremas existem porque há homens e mulheres que só pensam neles, e é esse egoísmo que provoca as enormíssimas desigualdades sociais com o todo o mal-estar que provocam.
Falar de contenções a quem já anda despido e tem a barriga vazia não faz sentido, não é escutado. Mas as dificuldades são para vencer, olhá-las com desânimo não as resolve.
Todos, cada um do seu jeito, tem a sua quota-parte na situação crítica a que o mundo chegou.
Nascemos livres, não poderemos nunca viver como escravos! Contudo, o mundo está cheio de escravidão: os senhores do dinheiro têm que pensar menos nos lucros e mais nas pessoas que necessitam de dinheiro para viver; os trabalhadores têm que pensar menos em passar depressa as horas do dia e mais no trabalho que fazem ao longo dessas horas, pois se ao fim do dia os patrões não tiverem obra feita não têm onde ir buscar o dinheiro para pagar os salários e fecham as suas portas… e depois.,. é o que se vê!
Mas de tudo, o mais importante, é que é urgente aprender a ver e mexer em muito dinheiro e resistir a desviá-lo da sua verdadeira rota.
É incrível! Prendem-se os praticantes de pequenos roubos… feitos por pessoas da plebe! Os grandes “mafiosos” - para não dizer ladrões - que estão à frente de tantas instituições  públicas, e privadas que o sector público acaba por cobrir, protegem-se mutuamente! Os avultadíssimos roubos que fazem nem sequer são chamados de roubos, são buracos ou desvios! 
O dinheiro fácil é uma tentação, e grande parte das pessoas quem mexem no dinheiro encantam-se por ele. Depois… normalmente… não podem castigar quem errou a pensar que, passados uns anos ou meses, outros poderão vir a castigar a eles próprios!...
A tão falada crise fez ressurgir uma grande onda de solidariedade social! Todavia… se os que têm pouco não ajudam os que têm menos, a coisa fica mesmo feia! Mas… quem não tem, não pode dar!
Que o egoísmo e avareza exagerada de alguns vá caindo por terra num radioso ressurgir de valores humanos, é o que mais desejo para este ano de 2012!
                                                   Hermínia Nadais