Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Por onde andam os valores humanos!



A época natalícia está no seu termo!
O Ano Novo começou recheado de sonhos e desejos de mudança.
O mundo fala-nos de problemas e aflições, mas não nos podemos confundir com nada do que nos possam dizer, temos, sim, de averiguar e por em acção todas as nossas possibilidades!
Nunca ninguém nos disse que a vida seria fácil, assim como também nunca ninguém nos disse que estaríamos sós nas lutas da vida!
O mundo, esta habitação enorme onde vivemos, tem tudo quanto necessitamos a uma vida condigna!
Quando falamos em dificuldades vemos de imediato as necessidades temporais, o comer, beber e vestir… e conviver para não morrer de tédio. Cada qual tem que ir aprendendo a viver com o que tem, ou melhor dizendo, a não esbanjar tanto em coisas desnecessárias.
“O mais importante é invisível aos olhos”! As enormíssimas dificuldades económicas que afligem os homens e mulheres prendem-se acima de tudo com a falta de valores humanos que actualmente existe!
Urge aprender a olhar-nos interiormente  de modo a termos o discernimento capaz de separar o bem do mal e de enveredarmos pelo caminho do bem, que é o viver a pensar nas pessoas que nos rodeiam numa atitude de amor e ajuda mútua.
As riquezas exageradas e pobrezas extremas existem porque há homens e mulheres que só pensam neles, e é esse egoísmo que provoca as enormíssimas desigualdades sociais com o todo o mal-estar que provocam.
Falar de contenções a quem já anda despido e tem a barriga vazia não faz sentido, não é escutado. Mas as dificuldades são para vencer, olhá-las com desânimo não as resolve.
Todos, cada um do seu jeito, tem a sua quota-parte na situação crítica a que o mundo chegou.
Nascemos livres, não poderemos nunca viver como escravos! Contudo, o mundo está cheio de escravidão: os senhores do dinheiro têm que pensar menos nos lucros e mais nas pessoas que necessitam de dinheiro para viver; os trabalhadores têm que pensar menos em passar depressa as horas do dia e mais no trabalho que fazem ao longo dessas horas, pois se ao fim do dia os patrões não tiverem obra feita não têm onde ir buscar o dinheiro para pagar os salários e fecham as suas portas… e depois.,. é o que se vê!
Mas de tudo, o mais importante, é que é urgente aprender a ver e mexer em muito dinheiro e resistir a desviá-lo da sua verdadeira rota.
É incrível! Prendem-se os praticantes de pequenos roubos… feitos por pessoas da plebe! Os grandes “mafiosos” - para não dizer ladrões - que estão à frente de tantas instituições  públicas, e privadas que o sector público acaba por cobrir, protegem-se mutuamente! Os avultadíssimos roubos que fazem nem sequer são chamados de roubos, são buracos ou desvios! 
O dinheiro fácil é uma tentação, e grande parte das pessoas quem mexem no dinheiro encantam-se por ele. Depois… normalmente… não podem castigar quem errou a pensar que, passados uns anos ou meses, outros poderão vir a castigar a eles próprios!...
A tão falada crise fez ressurgir uma grande onda de solidariedade social! Todavia… se os que têm pouco não ajudam os que têm menos, a coisa fica mesmo feia! Mas… quem não tem, não pode dar!
Que o egoísmo e avareza exagerada de alguns vá caindo por terra num radioso ressurgir de valores humanos, é o que mais desejo para este ano de 2012!
                                                   Hermínia Nadais                                                                                  

8 comentários:

O Árabe disse...

E apenas nós, minha amiga, seremos capazes de criar um mundo melhor! Boa semana.

Anónimo disse...

Querida Amiga

Apanhei um coraçãozinho destes que caiem pelo seu blog. Tanto anjo....assim estará mais acompanhada, porque nesta blogosfera são mais as vibrações negativas que certas páginas nos passam que outra coisa...salvo raras excepções como os nossos amigos que aqui lhe vêm doar algo de si - como é o caso do nosso amigo em comum cujo comentário me antecede.
Nada mais verdadeiro o que aqui nos passa com toda a lucidez que a realidade encerra.
Há mais de 1 ano escrevi um post sobre o ter e o SER....as pessoas escrevem para acreditarmos que também pensam como nós e depois actuam como os demais. Pelo menos não eixámos de alertar...quando os Valores se esquecem ou nunca se deu a importância devida, tudo em redor se desmorona, porque nada está desligado no UniVerso.
Que nos mantenhamos atentos ás constantes rasteiras que a vida, onde o corpo físico pertence.
Deixo um abraço ternamente apertado.
Sempre...
Mariininha (gosto do diminutivo com 2 ii. Já tive muitos outros, mas esse é muito fôfo.)

Hermínia Nadais disse...

Olá querida amiga! E também o amigo!
Cheguei agora aqui. Obrigada pelas visitas e palavras amigas e cheias de sentido!
Mariinha querida, está tudo muito bem, não se prenda com receios seja do que for, Deus é maior que tudo, e com Ele eu nada temo, pode estar sossegada.
Posso ter curtos momentos de desanimo, mas não passa disso.
Espero que a minha amiga esteja algo recuperada das directas que fez para
por os meus blogues bonitos!
Obrigada! Espero que esteja muito bem.
Vou ter que ir dormir... pois estou cheia de sono.
Beijinhos

Hermínia

Anónimo disse...

Querida Hermínia

Eu não fiz nada...sou é lenta.... - que não lerda...rsrsrsrsr! Nós estivemos em contacto, a apurar gostos e saberes para que a obra saísse como está. Só isso. A partilha de sentimentos e valores, dá o resultado que se vê e também, nada se faz apenas por nós próprios; o invisível sempre nos ajuda, e isso é que é a mais valia! - pela dedicação e empenhamento nossos aqui implícitos. Porque quando isso não acontece, saiem aberrações! - sem vida, sem movimento, sem côr, sem boa energia, sem a tal Luz que ofusca outros/as, e é por isso que as invejas saltam para a arena que nem leoas! Perceberá porque não passo muito tempo na net...
Proteja-se também.
Beijos doces e grata pela confiança, pela liberdade, pelo amor, pelo respeito, pelas horas boas que temos tido em comunicação e partilha.
Estou sempre por cá - que não aqui...
Beijinhos ternos na eternidade onde já vivemos
M.

poetaeusou . . . disse...

*
minha amiga virtual,´
para quem ama o céu azul da Nazaré,
onde o crepúsculo e o etéreo firmamento são um ocaso de contrastes, terá que ter um mar de
sensibilidade, em si espraiada |
,
ofereço-te, de autores nazarenos:
,
De tão longe veio o mar
Embalando uma sereia
Dizendo sempre a cantar
Pacto terno nessa areia
Saltando da proa a ré
Crianças ouvem cantar
Encanto que vem do mar
É canto, é Nazaré,
Barcos no mar
Redes alar
Peixe a saltar
No mar de esperança
Lota a tocar
Quem quer comprar
Para a Nazaré
Canta a bonança
És a rainha das praias
Amante do pescador
Amor não escondas o amor
No amor das sete saias
Vistosas no dar a dar
Elas são ninho de amor
Mas se a dor vier do mar
Ao fará que vem traidor
Barcos no mar
Lá lá lá lá !!!
,
uma maré viva de conchinhas,
deixo-te !
,
poetaeusao
*

irene alves disse...

Um texto muito interessante minha
amiga e que bom seria se fosse
posto em prática. Desejo que esteja
bem. Um beijinho
Irene

Canduxa disse...

Minha amiga,

na verdade é como diz...as enormes dificuldades que afligem o homem prende-se com a falta de valores humanos que hoje não existe.
Se cada um procurasse dentro de si a verdadeira felicidade,seria mais fácil olhar para os outros e partilhar com amor o que têm. Porém, as pessoas habituaram-se a viver com o que não têm e agora é muito coomplicado e momentos dificies vão ter que viver.
A natureza espera que o ser humano a olhe com gratidão e a perserve. Ela tem tanta abundância....e tanto para oferecer!

beijinho com muita luz

Hermínia Nadais disse...

Não sei como agradecer tanta amabilidade destas amigas e amigos todos!

São lindos... os poemas dos poetas da Nazaré! Muito grata!

Obrigada a todos... com muitos beijinhos