Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

domingo, 5 de fevereiro de 2012

FAMÍLIA E JUVENTUDE! Viver para a comunhão! Formar para a comunhão!


Na sequência e resultado de todas as actividades da Missão 2010 continuada no ano passado, D. Manuel Clemente, Bispo da Diocese do Porto, decidiu consagrar este Ano Pastoral à Família e Juventude!
Numa época tão difícil que torna cada vez mais conturbada a todos os níveis a vida familiar e juvenil, fazer algo para que os seus caminhos sejam mais aplanados é muito pertinente, urgente e imperioso.
Pode parecer, mas não tenho andado distraída! Muito pelo contrário, tenho-me preocupado por demais. Mas, sinceramente, não sei muito bem por onde começar!
Estamos cansados de repetir que a Família é a célula base de toda a Sociedade! E neste contexto, se a Família está mal, a Sociedade também o estará.
Também estou cansada de ouvir dizer que tudo está mal… casamentos falhados, mulheres e homens recasados, filhos repartidos , deveras mimados ou quase abandonados, uniões de facto, casamentos civis mais que religiosos, famílias monoparentais, as famílias dos pais a coabitar com as famílias dos filhos… sei lá que mais! Mas, muito francamente, eu vejo muitas coisas boas: entendimentos, compreensão, aceitação, pessoas maravilhosamente interessadas pelo bem-estar dos outros, que sabem ouvir e dizer, ver o que está certo e errado, assumir erros e fracassos, defender posições, aceitar, respeitar e conviver cordialmente com diferentes ideologias e formas de estar na vida na mais perfeita harmonia e paz… e isto é muito bom!
No meio desta Sociedade egoísta, nem tudo é mau! Há mesmo muitas coisas boas. E muito embora ainda haja muita hipocrisia, há pessoas muito transparentes, e é para essas que devemos lançar o nosso olhar e por toda a nossa confiança, incentivando-as a ser cada vez melhores! Temos de ter presente nas nossas atitudes de que o exemplo arrasta. Que exemplo temos sido nós, é uma pergunta que temos de fazer a nós mesmos em todos os momentos da vida! Não está tudo mal! Está tudo mal porque a nossa cultura pessimista só tem olhos para ver o mal, e dessa forma cada vez se enterra mais no mal em que pensa dia e noite.
Pode parecer utopia! Mas as grandes mudanças, antes de se tornarem realidades assumidas, sempre pareceram utopias. E de utopia em utopia, temos o mundo maravilhoso em que vivemos e não sabemos aproveitar.
O sonho comanda a vida! Não fomos criados para a infelicidade nem para criticar e ver o mal dos outros, porque a única coisa que cada um pode criticar e ver com verdade são os seus próprios males, e a única coisa a corrigir são os próprios defeitos, pois defeitos e desvarios, não podemos ter ilusões, para o bem pessoal e da Sociedade em geral, cada pessoa tem que corrigir os seus, antes de se por dar lições de moral muito boas, mas a ter atitudes que não correspondem às palavras ditas, o que não leva a lado nenhum.
Alguma vez já parámos para pensar no que o mundo seria se todos tentassem auto-corrigir-se, devagarinho?
Que bom seria, se na maior paz, as pessoas pudessem ver calmamente os sucessos uns dos outros! Que incentivo seria à prática do bem e à felicidade por que tanto lutamos!
O tempo urge! Pensemos na felicidade das nossas Famílias, vivendo em comunhão, formando-nos para a comunhão!

Hermínia Nadais

1 comentário:

poetaeusou . . . disse...

*
Minha amiga.
Segmento do discurso de D. Manuel Clemente ao receber o Prémio Pessoa em 2009.
,
Concluo com a inteira confiança nas pessoas que somos, os portugueses. E com a certeza firme de que, sendo verdadeiro objectivo do Estado e de todos os responsáveis sociais salvaguardar e promover a dignidade da pessoa humana, aumentaremos para isso as possibilidades materiais, culturais e espirituais existentes, que, no conjunto, constituem o nosso bem comum, na subsidiariedade e na solidariedade.
,
puras conchinhas, deixo,
*