Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

"Levanta-te, vai: a tua fé te salvou"



Com estas palavras retiradas de (Lc 17,19) quis o Santo Pedre Bento XVI “incentivar os doentes e necessitados a encontrar na fé em Deus o suporte seguro que dá sentido a qualquer doença humana.”
As sociedades, cada qual do seu jeito, os países ricos com todas as técnicas e os pobres sem técnicas nem proventos, lutam contra a doença e a prevenção da mesma. Contudo, a doença continua um mistério insondável que nos lembra continuamente a luta, validade e precariedade da vida.
A ciência moderna na busca constante da cura das doenças vai marginalizando ou ignorando a transcendentalidade da pessoa que precisa de aprender a dar sentido à dor, acarinhada de forma humana e solidária no seu rosto sofredor e humano, num sistema de saúde mais ético, humano e justo.
O Papa recorda-nos que Deus, no seu Filho, não nos abandona nas nossas angústias e sofrimentos! Antes, está junto de nós, ajuda-nos a desejar curar o nosso coração no mais profundo do nosso ser.
A fé em Cristo não elimina as dores, mas ilumina, eleva, purifica, sublima o sofrimento e torna-o válido para a eternidade, levando o doente a viver a sua enfermidade de forma bem diferente dos doentes que vivem sem acreditar em “Deus que quer sempre o nosso bem, ainda que às vezes não o vejamos”.  Jesus de Nazaré, médico sábio e omnipotente, curou as doenças do corpo para se manifestar como salvador das almas e ligou a saúde física à renovação da alma para nos ajudar a entender melhor os sacramentos da cura – Penitência e Unção dos Doentes, momentos privilegiados para os doentes se poderem enfrentar com a sua própria vida, reconhecer os seus erros e fracassos e sentir a alegria da reconciliação com Deus, com os irmãos e consigo mesmos, que lhes traz a paz de espírito que possibilita aceitar e viver com dignidade e humanidade as suas dores, até ao fim, tendo bem presente a frase de Agostinho de Hipona: "Fizeste-nos, Senhor, para ti, e o nosso coração está inquieto enquanto não repousar em ti"!
A Família e Juventude, na sua grande maioria, com todas as suas inegáveis maravilhas, também se encontra doente, com muitas dificuldades em redescobrir os seus valores fundamentais.
Que Jesus Cristo, o médico que dá todas as curas e o remédio para todas as doenças, proteja as nossas famílias. Maria, Rainha do Lar, rogai pelas nossas famílias.

Hermínia Nadais

1 comentário:

Janice Adja disse...

É exatamente isto que falta.
As pessoas tem que redescobrir os valores. Resgatar o que perdeu-se de vista, aprender a respeitar.
Beijos!