Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

segunda-feira, 7 de maio de 2012

AGONIA



O sol escaldante deixava cair os seus raios dourados sobre o corpo de bronze alquebrado sob o peso da enxada que removia lentamente a terra do carvalhal amortecido.
Era meio dia! Ao longe, uma mocinha graciosa vinha deambulando pela estrada deixando que o vento ondulasse os seus belos e pretos cabelos lisos. De olhos enxutos mas com a água a escorrer por entre os pelos loiros das raras e esguias barbas, João sentou-se, calmamente, debaixo do salgueiro junto ao penedo que ladeia a margem direita do rio. Ao vê-lo, um sorriso delicioso encheu de brilho o olhar de Maria enquanto, brandamente, poisava a pequena cesta e estendia sobre a densa folhagem seca um lindo pano de linho fino, bordado a preceito, debaixo do que a pequena panela da sopa fumegava um cheiro tão saboroso que enchia de gozo as bocas mais insípidas e amargas.
Os momentos do almoço passaram, mudos e velozes! E, enquanto a jovem se apressava no regresso ao lar para continuar junto da mãe as cansativas lides caseiras, João, de olhos presos naquele mimoso esmero da Natureza ia cavando e pensando se não seria esse formoso rebento a esposa amada que sonhava um dia encontrar… para lhe mimar a lenta e sequiosa agonia dos dias!...

Hermínia Nadais

5 comentários:

irene alves disse...

Gostei muito deste seu texto amiga.
São textos muitos sensíveis de alguma calma na maneira de viver,
que hoje pouco existe.
Um grande beijinho
Irene Alves e desejo que esteja bem.

selma disse...

Herminia,trouxe um selinho comemorativo ao 2º aniversário do Chá da tarde,
http://i701.photobucket.com/albums/ww15/M-amles/anigifchzinho.gif
Linda semana,beijos de luz.

vieira calado disse...

É uma excelente ideia escrever mini.textos!
Bjsss

vitalina de assis disse...

Hola amiga!

Que lindo!

Parabéns pelo texto, e por este espaço tão suave.

Bjs.

manuela barroso disse...

Um pequeno conto com lindas passagens poéticas.
Ótimo!
Parabéns