Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

sábado, 2 de junho de 2012

O POEMA DA VIDA!


Um certo dia
atenta ao vento como eterna sonhadora…
vi a vida no tempo
em poesia muito bela e encantadora!
E deslumbrada, assim, como criança,
disse de mim para mim com toda a confiança:

A vida é um poema…
nas primaveras alegres e solarengas alvoradas…
nas deleitosas e recheadas colheitas outonais …
nas sequiosas e crepitantes angustias dos verãos…
nos frígidos e dolorosos delírios invernais!

Sim! A vida é um poema…
nas auroras melodiosas e frescas das manhãs
na paz tranquila das tardes frias ou ensolaradas
nas laboriosidades intensas dos meios-dias
na ternura afetuosa das noites escuras ou estreladas!...

A vida é um poema…
um poema a compor constantemente
no permanente decorrer dos dias
procurando o que melhor interessa
a um amistoso viver de toda a gente
longe dos desesperos e inquietantes arrelias!

A vida é um poema
alegre ou triste
com amor e humildade desejado
ou repelido
na rebeldia e egoísmo exagerado…

A vida é um poema
a procurar
a compreender
desvendar
descobrir
encontrar
reencontrar
e assumir
no jeito certo
e no local exato
onde  ela se deve consumir
sem revolta e com amor
aliviando a cada instante
a dor alheia
e a própria dor.

No poema da vida…
o olhar-se interiormente
é o jeito certo
de retirar de cada dia com ardor
toda a revolta de horror e de deserto!...

No poema da vida,
não… eu não quero…
eu nunca vou querer
de forma pensada e assumida
estar constantemente revoltada
no decorrer persistente
da minha dura lida…

No poema da vida
não quererei nunca…
isso não…
viver em tão delicada confusão
nem ter a loucura da ilusão
de não me querer aventurar a perceber
que essa imensa dor
constante ou intermitente
tem de ser cortada
firmemente
com toda a força da razão….
para não magoar… ainda mais… o já tão magoado coração
que com uma enorme razão poderá ficar doente.

Não! Este cerco errado
e malfadado
quero arredar de mim!
Eu não quero passar nunca a minha vida
revoltada, assim,
sem forma própria de viver e de estar,
lutando em vão por um certo lugar
que me pertence
desde o momento em que comecei a existir
e se tornou mais forte e persistente
quando, crescendo, me fui tornando gente…

Não!... Não nascemos para nós,
de longe, isso, eu descobri, eu sei, 
por isso desde sempre eu arrisquei
doar a vida em prol da sociedade
procurando sem cansar
e sem cessar
servir a toda a gente ao meu redor
com o maior amor esmero e lealdade.

Mas… esquecendo ilusões e desenganos
dentro de mim… de ti… de vós…
existe um “NÓS”…  gritando… em brados tais…
que proclamam sem cessar
doridamente
o reconhecimento de todos os demais…

E… se o nosso “NÓS” não for reconhecido
tal como na vida nos convém
no coração nascerá uma imensa dor
assaz atroz
bárbara desumana
monstruosa medonha e  permanente
que nada nem ninguém
será capaz de retirar
do malogrado coração
sempre a sangrar
enquanto essa dolorosa injustiça
perdurar
tão loucamente!

Então… ó humana geração
para que não mais tal aconteça
no imenso paraíso onde vivemos
e que queremos sempre seja doce e bom…
reconheçamos os “EU” de toda a gente
que da melhor forma que entender e for capaz
avidamente vai procurando ser feliz…
E… lutando por um mundo diferente
de coração a extravasar de amor ardente
no poema incessante da vida, ininterruptamente,
vamos todos servir e amar
com verdade…  e não… como se diz.

Hermínia Nadais

8 comentários:

Maria Rodrigues disse...

Lindissima mensagem em forma de poesia.
Bom domingo
Beijinhos
Maria

Mariz disse...

Uma poesia perfeita para a vida...realmente a vida é um poema e precisamos saber versejar.


beijos!

OutrosEncantos disse...

gostei muito desse poema, muito.
há uma força incrível de viver e simultâneamente um grito, um apelo à justiça social, à condescendência colectiva.

beijinho.

MARIA DA FONTE disse...

Lindo,lindo. Adorei. beijos

SOL da Esteva disse...

Verdadeiramente, este é o Poema da Vida!
"[...]A vida é um poema… [...]
vamos todos servir e amar
com verdade… e não… como se diz."
Assim, a Vida é o Amor de verdade.

Beijos

SOL

Waldete disse...

Vagueando aqui pela internet, descobri tua página...e com ela coisas lindas encontrei...inclusive o "Poema da Vida"...que maravilha...vou continuar "caminhando" em tua página...pois sei que muita coisa boa vou encontrar...posso formatar este poema? É claro que ao formatá-lo dou os devidos créditos à você e sua página...
Parabéns por tudo. Deus te abençoe e muito.

Waldete - Nepomuceno-Minas Gerais- Brasil...
wsrbarbosa@tpnet.psi.br

Hermínia Nadais disse...

Waldete!
Obrigada pela visita e pelas palavras animadoras!
Claro que pode formatar o meu poema creditado, e o anúncio da página será muito bom.
Obrigada!
Tudo de bom para si!

Hermínia Nadais disse...

Valdete!
Não tem página?
Gostaria de visitar, retribuir visita e efectuar partilhas!