Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

domingo, 22 de julho de 2012

Urge restaurar a Fé na Família



Antes de nos questionamos sobre os problemas sociais, deveríamos pensar mais na resolução dos problemas familiares, pois é a boa constituição e estabilidade familiar que dá coesão e harmonia à sociedade.
A sociedade tem evoluído muito nos diversos campos da ciência onde tem feito pesquisas e chegado a conclusões maravilhosas que conseguem minorar excepcionalmente o sofrimento e melhorar a qualidade de vida. Para o sucesso alcançado, eles não criaram nada, muito simplesmente têm descoberto e obedecido logicamente às leis da natureza, aumentando o conhecimento e a compreensão e identificando as teorias e leis determinantes da autenticidade das suas descobertas.
Perante tanto avanço científico e tecnológico, que temos feito para ajudar a restaurar a fé, que, ou se inicia na família, ou será muito mais difícil de ser iniciada? Não sei, mas um desenvolvimento não acompanhou minimamente o outro, e o resultado está a ser muito doloroso.
A ciência, normalmente, cura o corpo, mas é preciso aprender a curar o coração, o que só se encontra no plano da crença religiosa. Os homens e mulheres de fé têm mais facilidade de curar o coração magoado e dar nova esperança e certeza a situações em que a mente se encontre transtornada.
Já o Apóstolo Paulo dizia aos Coríntios que somente o homem pode saber de si mesmo. Daí, o termos de rever as nossas atitudes perante o juízo que fazemos dos comportamentos de quem connosco convive.
As pessoas precisam de menos críticas e mais modelos para seguir, precisam de alguém que fale, não com a boca, mas com a vida, com padrões éticos e valores morais cheios de força, amor, espírito de serviço, partilha e responsabilidade, que consigam dar à sociedade estabilidade, compreensão, aceitação e paz.
O desenvolvimento de um caráter sólido, leal, íntegro, altruísta, de respeito mútuo e confiabilidade, o valor da dignidade e amor ao trabalho, do equilíbrio financeiro, da tomada de decisões e da coragem de perseguir ideais educacionais, aprendem-se e enraízam-se na família, acima de tudo, pelo exemplo dos pais.
Jesus disse: “Eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância”.
Que tipo de vida estamos a procurar, tantas vezes desviados da lógica de Deus que não tem nada a ver com a nossa? Temos que ter presente que tudo se desenvolveu menos o estudo e meditação do Evangelho ou Boa Nova de Jesus Cristo, o único HOMEM que é exemplo para toda a Humanidade.
Temos que esquecer as fraquezas humanas, pois todos as temos, cada qual do seu jeito, para ouvir os ensinamentos do Mestre, cheguem-nos por quem chegarem.
Nada acontece por acaso. Prestemos atenção a tudo quanto nos rodeia, pois é aí que encontraremos a nossa verdadeira forma de ser e agir, como filhos, pais, cônjuges ou irmãos.
Que Deus nos ajude a fazermos tudo quanto estiver ao nosso alcance pela dignificação da família, a célula que constitui a sociedade que será sempre o que forem as famílias que a 
constituem! 

Hermínia Nadais

sábado, 14 de julho de 2012

Necessidades...

Quando não encontrares forma de poder elogiar uma pessoa, evita falar nela, pois ninguém tem o direito de denegrir a imagem de quem quer que seja.      

Hermínia Nadais                

terça-feira, 10 de julho de 2012

CRESCER NA VIDA!


A vida é bela no alvorecer ternurento dos dias, 
nas torturas amargas das longas arrelias, 
nas manhãs de sol sorridente a espalhar felicidade 
ou na escuridão mais deprimente da mais profunda solidão e orfandade, 
na tortura e amargura, tristeza e saudade, 
porque tudo, nesta vida, é viver, 
e é com tudo que se vai aprendendo a crescer.

A vida é doce no calor abafado dos ais 
e no frio endurecido do “já não posso mais”… 
no aconchego desmesurado do abraço 
e nas torturas dolorosas do cansaço… 
quando tudo corre bem na dor do amor 
ou quando as ásperas incertezas nos enchem de pavor, 
porque, pensando bem para bem ver, 
é com tudo isto que podemos crescer! 

Hermínia Nadais

sexta-feira, 6 de julho de 2012

ESVAZIAR-SE




O homem nunca pode estar vazio, tem de querer ou pensar sempre em alguma coisa! Mas, enquanto não conseguir livrar-se do seu egocentrismo exagerado, tem grande dificuldade em deixar para trás o medo de tudo e de todos, o respeito humano, o orgulho, o ódio, o rancor, o apego exagerado às riquezas e ao dinheiro... pois ainda não descobriu que, esvaziar-se de tudo, é a única forma de ficar completamente livre para ser mais rico porque cheio de vontade de ser e de crescer no Verdadeiro Amor, o único empreendimento capaz de o poder satisfazer mais plenamente.

Hermínia Nadais

segunda-feira, 2 de julho de 2012

VENDAVAL









Não chove, não faz frio nem cai neve, as nuvens não fogem desesperadas nem o vento sopra como louco. Não são estes factores do tempo que fazem as mãos trémulas e as pernas enfraquecidas, os corpos inseguros e os corações deambulantes, são as frases entrecortadas por suspiros escondidos nas asas egoístas das ignominiosas torturas que acompanham tantas vidas sombrias disfarçadas pelas mais sorridentes gargalhadas e boas disposições... que agudizam ainda mais fortemente os sofrimentos atrozes e esmagadores perdidos na calada da noite.


Realmente… olho à minha volta com um pouco de atenção… e reparo que não é preciso que haja mau tempo para que se viva no mais tremendo, estúpido, terrível e enormíssimo vendaval.




Hermínia Nadais