Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

domingo, 7 de outubro de 2012

Quem é o Homem?!...



Diz-se que o Homem é um ser superior criado à imagem de Deus e formado por corpo e espírito, duas partes distintas que se apresentam como um todo indivisível numa única realidade muito complexa, o Ser Humano”, homem ou mulher.
Apesar dos vários retratos que podemos fazer de cada “Ser Humano”, é difícil e mesmo impossível defini-lo com exactidão.
O retrato físico funciona como que o seu Bilhete de Identidade onde se destacam a estatura, rosto, cabelo, mãos, voz, cor de pele, preferências pelos tipos de vestuário e formas de vestir, e leva-nos a distinguir facilmente um indivíduo dos demais; as características intelectuais, inteligência, memória, vontade, sensibilidade, dada a sua interioridade são bem mais difíceis de reconhecer capazmente; o retrato moral só poderá ser minimamente retirado a partir da análise comportamental das qualidades e defeitos mais predominantes da pessoa, ou seja, da suavidade, carinho, ternura, compreensão, irritabilidade, nervosismo, o que é muito mais difícil de se averiguar; a espiritualidade ou forma como a pessoa encara e vive a Fé no invisível e sobrenatural torna-se ainda mais difícil.
Mesmo observando e analisando o homem o mais criteriosamente possível sob as mais diversas formas, pelas mais diversas razões, nunca poderemos afirmar que conhecemos profundamente seja quem for. O conhecimento exacto de uma criatura pertence somente a ela própria e ao Seu criador.
Normalmente dizemos que conhecemos tal ou tal pessoa só porque a sabemos distinguir das demais pelo que nela nos ressalta imediatamente à vista. Mas a verdadeira verdade é que o retrato físico e comportamental de uma pessoa, estritamente necessários para o seu reconhecimento e identificação, são os menos importantes para o seu conhecimento integral, porque o mais importante é sempre invisível aos olhos humanos e somente visível com os olhos sensíveis do coração.
Para conhecermos melhor uma pessoa não podemos limitar-nos a observá-la superficialmente, mas a partir de uma análise mais profunda de todos os seus atos, feita com o maior amor, carinho e compreensão, atitudes que só podem sair do coração. Mas mesmo assim, nenhuma análise possível poderá mostrar a verdadeira realidade do ser, pois o conhecimento exato de cada pessoa ultrapassa o conhecimento da própria pessoa, é reconhecido apenas pelo Seu Criador, o único a que nada passa despercebido.
Os desentendimentos e desavenças sociais são, antes de tudo, fruto da falta de conhecimento que cada um tem de si mesmo e da falta de auto-domínio sobre as suas reacções inesperadas, e só depois da falta de compreensão e aceitação adequada do comportamento das pessoas circundantes.
Temos que aprender a ser sinceros! Se é tão difícil descobrir e julgar os segredos do nosso próprio coração, como poderemos imaginar estar à altura de compreender minimamente as atitudes das pessoas com quem convivemos, por mais íntimas que nos sejam, julgando e odiando tão desmesuradamente os seus comportamentos normais?!... Isto é incompreensível!
Só com uma consciência muito profunda de toda a nossa complexidade de homens ou mulheres e com uma vontade muito forte de ultrapassar todas as barreiras das fraquezas próprias e alheias, podemos minorar os desentendimentos e desencontros e tornar possível o viver em paz connosco próprios e com quem connosco convive. E enquanto não fizermos tudo para sermos realmente verdadeiros homens ou verdadeiras mulheres, nunca poderemos vir a ser, concretamente, homens ou mulheres de Fé verdadeira.

Sem comentários: