Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

sábado, 29 de dezembro de 2012

"A Família – um valor a recuperar"



O Natal é, por excelência, a festa da família! Na época natalícia os encontros familiares são desejados e todos os membros da família recordados com muito mais intensidade.

Ao pensar nos problemas que as famílias atuais atravessam entramos em momentos de profunda tristeza e mesmo de angústia!

Perante tudo isto, é caso para perguntar: - Que foi feito das famílias de outrora? A que é que as liberdades/libertinagens nos levaram? Como são as famílias dos nossos filhos já adultos? O que virão a ser as famílias dos nossos filhos pequenos e dos nossos netos e bisnetos? Será que as crianças e jovens são tão perversos como muitas vezes se diz? Os pais e restantes educadores sabem ouvir os jovens e crianças, ou continuam a não lhes dar valor como faziam muitos dos nossos antepassados? Que papel tem o Estado nos problemas que se abatem sobre as famílias? Será que lhes dá condições de estabilidade que gera união e paz? E que tem feito a Igreja para remediar a tremenda crise por que as famílias estão a passar?

Sinceramente, acho deveras evidente que estas, como muitas outras, são perguntas sem resposta! As pessoas envolvidas, no meio de tantas preocupações e desesperos, não sabem nem conseguem responder; quem as deveria ajudar a suprir as suas tremendas dificuldades, na quase totalidade, também não tem nem se esforçam por ter capacidade de resposta; os pais sofrem com os problemas dos filhos sem os poderem ajudar; e as restantes pessoas acabam por criticar o que se passa com este ou aquele casal ou esta ou aquela pessoa… sem sequer pensar que qualquer coisa que se diga acerca seja de quem for, acabará por ser sempre um juízo temerário! O único com conhecimento de causa para julgar todas as coisas com justiça, é Deus… mas ESSE, mediante a liberdade que deu às pessoas que criou, muito embora tente ajudá-las das mais variadas formas, aceita-as como são sem as criticar!

Para onde caminhará esta cultura de morte numa sociedade envelhecida e sem rumo, não se sabe!...

Tudo quanto o mundo que se julga moderno tem legislado, o aborto, o divórcio, as uniões seladas de homossexuais, o trabalho intenso de ambos os cônjuges que não lhes deixa tempo suficiente para se dedicarem a cultivar a unidade e estabilidade entre si mesmos nem para cuidarem da educação capaz dos filhos, e muito menos para se dedicarem a um bom acompanhamento da velhice dos pais, tem degradado ao máximo a lucidez psicológica das pessoas e as boas relações familiares.

Não podemos ter ilusões! A família é a primeira célula da sociedade e o seu mais forte e único pilar! E as fracas relações familiares provocam fracas relações sociais, e acabamos por ter tudo quanto não queremos nem nunca imaginamos viesse a acontecer.

As pessoas, com os bancos a meterem-lhes empréstimos pelos olhos dentro prometendo as maiores facilidades, habituaram-se a viver muito além das suas possibilidades!

A falta de natalidade é a maior fatalidade do nosso tempo! Quem tem filhos tem sempre melhor futuro! Recordo as famílias numerosas de antigamente, muito mais sóbrias, fortes e coesas do que as de agora. Os pais com mais filhos são as pessoas mais felizes da sociedade.

Se os nossos governantes, em vez de olharem só para o aumento dos proventos das grandes empresas e para as suas próprias mordomias e cifrões a receber no fim do mês, baixassem a carga horária dos trabalhadores para lhes diminuir o stress e o número de desempregados e dar às pessoas mais tempos livres para olharem por si mesmas e pelo bem-estar das suas famílias… a sociedade teria possibilidades de tomar outro rumo e as perspetivas de futuro seriam bem mais animadoras!

Quem sabe… se não passará por aí um milagre do Menino Jesus neste Natal!  

Hermínia Nadais

2 comentários:

Maria Rodrigues disse...

Minha amiga passei para lhe desejar um excelente Ano Novo. Que Jesus nos ajude na nossa caminhada.
Beijinhos
Maria

Hermínia Nadais disse...

Obrigada Amiga! Feliz Ano Novo!