Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

domingo, 16 de junho de 2013

Rios de felicidade





Passeavam pelo espaço, embrenhados nos encantos da vida e perdidos na floresta do tempo! Pararam, junto à árvore gigante que sempre os protegia!

Era um final de tarde! Não se via alma viva, e também não havia tempo de procurar estrada ou caminho que os conduzisse a melhor porto.

Então, mergulhados na escuridão da noite privada de luar mas marejada de estrelas sorridentes, cintilantes e belas... montaram a tenda!

Sofregamente, tragaram a dura e amassada sanduíche à mistura com alguns goles de água corrente!

E, abandonados na ternura aconchegante da mãe natureza, repousaram com tranquilidade e em paz... até que o alegre chilrear dos passaritos lhes anunciou um novo amanhecer… no alvorecer de mais um dia onde lhes iriam sorrir, de novo, outros rios de felicidade!...

Hermínia Nadais

4 comentários:

Anónimo disse...

Hello. And Bye.

Silenciosamente ouvindo... disse...

Minha querida amiga, gostei tanto
deste texto e até me recordou o
tempo em que eu e o meu marido
fazíamos campismo.
Gostei muito do comentario que
deixou no meu blogue(acerca da
Constança).
Um beijinho da sempre amiga e
bom fim de semana.
Irene Alves

Silenciosamente ouvindo... disse...

Amiga passei para estar um pouco
consigo no seu blogue.
Desejo que esteja bem.
Bj.
Irene Alves

Ilca Santos disse...

Olá amiga querida,
Simplesmente lindo!
Como sempre é muito prazeroso ler seus belos escritos.
Desejo que vc esteja bem e que sua semana seja repleta de bênçãos, amor e paz!
Um abraço com todo meu carinho.