Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Ave... sem ninho!...


Como ave sem ninho num mundo sem jeito
metida em redoma e sem respirar
é este o sentir que me aperta o peito
e faz a cabeça andar a girar!

Nada tenho em mim que me dê amparo
morreu a esperança na confiança extorquida
pelos sonhos desfeitos que acenderam luta
inglória passada nesta dura vida
e me deixou sem jeito ao acaso perdida!

Não me encontro em nada
nem em nenhum lugar
nem tenho coragem para mais lutar
não me compreendo na minha aflição
sinto-me perdida sem consolação!

E nesta tropelia sem nada p´ra crer
passo cada dia sem nada entender
buscando encontrar palavras de alento
sem saber quando acabará o tormento!

Numa busca constante 
por maior firmeza
talvez o tormento 
nunca acabe... 
com certeza!

Hermínia Nadais

Sem comentários: