Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

domingo, 18 de agosto de 2013

Crescer!...

Não sei vislumbrar o cansaço obscuro dos dias 
nem a lucidez das noites!
Não sei se é a idade que me acena com o conhecimento 
ou se a aspereza da vida 
me ajuda a tirar mais experiência 
em todos os momentos que passam!
Os dias turbos e pesados 
são difíceis de ultrapassar
mas é com eles que aprendo 
a ser 
e a viver 
mais de acordo 
com as realidades da vida!
Aprender a aceitar as dificuldades
e crescer com elas 
não é nada fácil
mas é o que tem de acontecer 
a quem quer crescer
como pessoa
numa sociedade 
que, de verdade,
precisa de pessoas crescidas
que consigam vislumbrar 
o cansaço obscuro dos dias 
e a lucidez das noites!

Que todos sejamos fortes
capazes, 
crescidos 
e suficientemente audazes
e corajosos no aprender
para podermos 
para sempre
e continuamente
crescer... crescer... crescer!...

Hermínia Nadais

2 comentários:

irene alves disse...

O apelo que a amiga faz é muito
justo. Estou totalmente de acordo
com o texto deste seu poema e eu
própria sinto o mesmo que a amiga.
Não está a ser fácil a readaptação,
para a maioria, e a riqueza a aumentar para uma minoria(sempre
a mesma).Tenha um bom domingo.
Beijinhos
Irene Alves

Ilca Santos disse...

Olá amiga querida,
Que poema lindo e edificante para a alma! Uma perfeita reflexão! Na vida, tudo é aprendizado. E através das dificuldades e sofrimentos devemos buscar o caminho do crescimento e as mudanças necessárias para o nosso aprimoramento espiritual. Crescer, aprender, evoluir... sempre!
Parabéns pelo belo post, amiga. E obrigada pela sua carinhosa visita, que sempre alegra o meu coração.
Um abraço com muito carinho.