Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

sábado, 11 de outubro de 2014

EM FÁTIMA!



 
O dia está cinzento o céu nublado
viaturas espalhadas por todo o lado
conversas animadas até mais não
cheiro a churrasco e outras iguarias
nesta aldeia ambulante
cheia de tropelias
 mas que enche de ventura
o corpo, a  alma e o coração.

Os sinos tocam apelando à oração
visitantes peregrinos
que afluem em massa
quais meninos
às brincadeiras charmantes
dos pátios da escola...
e por todos os caminhos
de sacola aos ombros
e cadeiras na mão
se dirigem ao Santuário
com a maior e mais convicta devoção!

Que a Mãe de Fátima escute nossa voz
pedindo a Jesus por familiares,
por amigos, por todo o mundo e por nós!

Hermínia Nadais

2 comentários:

Pedro Pinho e Suárez disse...

Linda descrição de um tão nostálgico momento, querida Amiga!
Gostei muito daquilo que li.

Obrigado!

irene alves disse...

Uma poesia em que a amiga
fixa na mesma, sentimentos
muito profundos que só em
Fátima de pode sentir.
Bj.
Irene Alves