Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

segunda-feira, 30 de março de 2015

DOMINGO DE RAMOS!




Hoje, Domingo de ramos, inicia a Semana Maior!
Não em tempo, pois tem os mesmos sete dias! Mas porque nela se realiza a celebração da verdadeira vida de Amor de Deus pelos homens!
Mistério! Um enormíssimo mistério! O mistério de um Deus que quis viver a humanidade de qualquer homem sem deixar de ser o Deus que sempre foi, igual ao Pai e ao Espírito Santo! Ao Espírito Santo, o grande desconhecido que nos assiste em todas as nossas necessidades como luz para o caminho e força para o caminhar!
Os ramos verdes da Esperança ornamentaram as procissões aniversárias da Entrada de Jesus em Jerusalém, entrada que deu origem à Sua Paixão e Morte, que nos veio alertar para que vivamos na verdade que devemos e mostrar a verdade da Ressurreição! Ressurreição que para nós tem que começar no aqui e agora, com uma vida cada vez mais renovada no Amor de Deus e do Próximo, o fim para que fomos criados!
Vamos buscar incessantemente o Amor de Deus, vamos querer ser amados por Deus para que possamos ser como Ele quer que sejamos, pois Ele está constantemente a bater á porta do nosso coração para que lho abramos de par em par!
Nós somos presentes de Deus, por isso Deus nos meteu dentro de um belo embrulho, o nosso corpo, que tal como um papel de embrulho é lançado no lixo ou na reciclagem um dia será lançado na terra para libertar a nossa melhor parte a que chamamos alma e não se vê a olho nu, para iniciarmos uma vida diferente e que esperamos cheia de felicidade no pleno Amor de Deus!
Deus é Pai, amigo, paciente, bondoso, misericordioso... tentemos descobrir o melhor que pudermos a forma como Jesus viveu para nos inteirarmos de como é Deus na realidade, e para vivermos cada vez mais ao Seu jeito!  

sábado, 7 de março de 2015

Louvado sejas





Louvado sejas
Pela imensidão e beleza da paisagem,
pelo reflexo das habitações e montanhas
nas águas calmas, cristalinas
e transparentes do Douro,
pelas mimosas frescas e amarelinhas,
pelas inúmeras quintas
onde se produz o afamado e delicioso
Vinho do Porto,
pelas amendoeiras floridas
ou ainda em borbotos a florir,
 por tudo quanto se move no ir e vir,
pela sensação de felicidade
sentida de manhã ao entardecer,
louvado sejas, Senhor
por todo o homem ou mulher!

Hermínia Nadais