Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

terça-feira, 24 de junho de 2008

AS MARAVILHAS DA VIDA

Da beleza do monte exala um delicioso odor a eucaliptos, giestas, pinheiros, fetos, carvalhos e castanheiros... dispersos sob o céu cinzento que delicadamente os vai humedecendo com a suave leveza de algumas das suas lágrimas.
As urzes, sargaços e tojos envergam toda a sua pujança na frescura das tenras crescenças, escondendo muitas outras maravilhosas e perfumadas flores que vão sorrindo por entre ervas rasteiras, deixando cair no solo acastanhado alguns pingos da água cristalina que lhes vai caindo do céu.
Por entre os troncos esguios realça a copa arredondada de uma gigante giesta que resolveu florir... quando as suas irmãs já exibem as sementes dentro dos brancos e espessos “carneirinhos”.
As pedras, friorentas e envergonhadas, deixam-se cobrir por um manto de musgo fofo, enquanto a caruma estendida no espaço vai adubando lentamente a terra e as pinhas envelhecidas deixam escapar os pinhões para que novos pinheiros possam preencher o vazio deixado pelo desaparecimento dos troncos cansados.
Na estreita via um pequeno carro vermelho quebra o delicioso silêncio da paz tranquila deste espaço de sonho.
Nesta tarde dominical, perdida entre céu e monte... sem palavras... sem ninguém... o mais fundo do meu coração exulta cantando os mais harmoniosos louvores à suprema sabedoria do Senhor da criação.

Montes de Viadal, 2008/06/15 – 15.00 h
Hermínia Nadais

6 comentários:

Mariz disse...

Salvé Herminia!
Essa paisagem campestre foi palco de cheiros e sentimentos de paz - parecidos com os que vivo aqui. A única diferença é o silêncio, que por vezes é interrompido com o ladar dos cães sempre que as gatas saltam o muro e vão dar uma volta! Ainda não têm 1 ano e são já umas vadias - no verdadeiro sentido do termo - uma delas a Neca, teve 5 a e a outra, a Nhocas teve 4... apenas com 10 dias de intervalo. Agora tenho um berbicacho...o que vou eu fazer com 11 gatas sendo que 3 machos apenas - até nesta espécie as fêmeas é que saltam para a ribalta..e ainda os 3 cães - 1 é cadela
Já viu minha amiga? como é que eu vou de férias? Agora nem a senhora que me tomava conta deles está cá...regressou á Roménia. MAs não vou pensar nisso porque já coloquei o assunto a QUEM de direito...a solução vai chegar, porque eu confio plenamente.
Deixo-lhe um beijo amigo e depois passo por aqui novamente.
Mariz

ESPAVO!

Hermínia Nadais disse...

ÓH! Amiga!... Eu gosto muito de tudo quanto é Natureza incluindo os animais... mas tantos assim dentro de casa... eu não conseguiria aguentar! Digo isto porque sei quanto isso custa, já tive também uma grande quantidade de gatos e uma cadelita que comiam todos juntos. Eram giríssimos, mas davam-me cabo da cabeça. Como eu não conseguia tê-los presos em casa e havia um senhor com coelhos à solta dentro de um campo aqui perto... não sei quem foi mas mataram-mos todos. Fiquei muito triste e não quis mais nenhuns.
Se por um lado nos dão montões de carinho e ternura sincera... por outro enchem-nos de preocupações e canseiras sem peso nem medida.
Se estivesse aí perto bem que podia dar-lhe uma ajudinha... assim... estou certa que vai conseguir, pois pelo que me apercebo tem mesmo muita necessidade de férias.
Junto-me a si para pedir ao Alguém que providencie. Ele vai ajudar.
Só hoje pude ver os filmes. São muito bons.
Boa noite e muitos bjitos,
da amiga Hermínia

**Cantinho da LI** disse...

Bom dia!!!
Vim retribuir a visita, seu blog também tem palavras mais que lindas. Tenha um otimo dia!

Beijinhos!!!

Pedro disse...

Hum... tão natural, tão sensitivo, parece que sinto o cheiro matinal ou o barulho das folhas a coçar o vento!

Cöllyßry disse...

Natureza em sua plenitude, hino belissimo a ela...

Beijito

neo-orkuteiro disse...

O texto faz experimentar uma sensação contemplativa muito tranqüila, com pedras que envergonhadas se cobrem e tudo mais. E a vida é mostrada como é: "para que novos pinheiros possam preencher o vazio deixado pelo desaparecimento dos troncos cansados". Muito inspiradas estas palavras suas.