Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

sexta-feira, 18 de julho de 2008

O CAMINHO DO SONHO

O Sol do Norte aponta a direcção do Sul
e desfaz a brisa suave que as águas do Douro
(já quase mergulhadas no silêncio da foz)
deixam vaguear pelo espaço
até atingirem o íntimo do coração.

As gaivotas sobrevoam a terra com lentidão
e piam alegremente
sussurrando ao coração
murmúrios de paz.

Os veículos ensurdecem os ouvidos
na ânsia desmedida de levar os homens
a outras paragens – o lugar necessário no momento presente.

Alheia ao passado e ignorando o futuro
na minha “pequena joaninha”
me escondo do sol abrasador e voo nas asas do tempo
idealizando realização pessoal.

Então... a saudade de um “alguém” que
muito me ajudou a colocar-me no caminho do sonho
me amargura o peito...
e do fundo do meu ser brota mais forte um único desejo:
- Aprender, no dia a dia,
a viver cada vez melhor com esta saudade...
e que onde ele estiver... se sinta realizado e feliz!

6 comentários:

Parapeito disse...

Que sentimento bonito...Não esquecer alguem e lhe desejar que seja feliz...

É sempre bom descobrirmos assim tão nobres sentimentos.

Um abraço ****

DE-PROPOSITO disse...

Olá.
Andei por aqui.
E desejo felicidades.
Manuel

Nilson Barcelli disse...

Só aprendendo sempre é que os sonhos permanecem vivos.
Porque os caminhos às vezes não são fáceis e temos que os descobrir com a aprendizagem que fizemos no troço anterior...

Belíssimo poema, gostei de o ler.

Beijinhos.

Jacky - Tudo posso realizar!!!! disse...

Toda vez que venho lhe fazer uma visita me deparo com uma linda poesia que me enche os olhos... Lindas como sempre... bjos

Bonecas da Filó disse...

Que lindo Herminia!!Como gosto de vir aqui ler as suas tão sábias palavras,o mundo precisa de pessoas assim!!beijinhos e boas férias

Ana LorvãO

neo-orkuteiro disse...

É isto, Hermínia. Seu texto é permeado a cada linha de um belo sentimento de bem querer que não se contradiz, mas antes se confirma no quase surpreendente final.
E saudade é uma palavra que dizem só existir na nossa bela língua. Que fazer com ela, então? Textos como este, onde ela é mais que uma palavra. É uma declaração.